Impacto é de R$ 40 mi em déficit de R$ 2,7 bi da previdência em PE

“R$ 40 milhões em R$ 2,7 bilhões é nada"

Governador Paulo Câmara.Governador Paulo Câmara. - Foto: Rafael Furtado / Arquivo Folha

Pelos cálculos do Governo do Estado, o impacto das mudanças na Previdência dos servidores estaduais, ao ano, deve ser de cerca de R$ 40 milhões. Palacianos grifam, então, que essa mudança não ajuda nem a fechar contas, uma vez que interfere "minimamente" na questão do déficit do Estado, de R$ 2,7 bilhões. "Estamos fazendo porque é uma obrigação", observa à coluna um integrante do governo em reserva. "Amenizar o déficit não é o ponto central, porque R$ 40 milhões em R$ 2,7 bilhões é nada", enfatiza o governista. A despeito disso, a gestão precisa do Certificado de Regularidade Previdenciária, documento que atesta a adequação do regime de previdência social do Estado, sob risco de ficar impedido de contratar operações de crédito e receber transferências voluntárias da União.

Em função disso, o Projeto de Lei Complementar 830/2019, que altera alíquotas e regulamenta o Funaprev, precisava ser aprovado até fevereiro, prazo de vencimento do certificado. "Em direito previdenciário, algumas normas são federais e não se pode ter contribuição inferior à do Governo Federal", realça um governista à coluna. A despeito da tese da adequação (a alíquota sai de 13,5% para 14%), a deputada oposicionista Priscila Krause, que teve emenda acatada pelo governo, a qual adia o início da vigência do reajuste, argumenta que "não era nenhuma ilegalidade começar" essa adequação, mas adverte que "o governo escolheu o pior caminho para o servidor". A democrata explica: "Poderia ter escolhido a previsão de progressão de alíquota. Ele escolheu a alíquota única que penaliza os que recebem menos, exatamente o oposto do discurso do PSB, do discurso de Paulo Câmara". O Projeto de Lei Complementar 830/2019, que altera alíquotas e regulamenta o Funaprev, foi votado ontem em primeira discussão. Ainda que o governo repise a tecla da adequação, em política, tudo que você tem que explicar não é bom. "Meio ponto percentual cria desconforto", admite um socialista, que preferiu não se identificar.

 

“Namoro antigo” 
As costuras para atrair a norte-americana Amazon para Pernambuco, empresa cujo valor de mercado gira em torno de US$ 1 trilhão, vinham sendo alinhavadas pelo Governo há cerca de dois anos, conta o secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, que esteve ontem, em São Paulo, acompanhando o governador Paulo Câmara em reunião que oficializou o negócio com o CEO da Amazon no Brasil, Alex Szapiro.
Por terra...> Para trazer a gigante do e-commerce para cá, o Estado promoveu até mudanças na legislação tributária. Entre os detalhes que ajudaram a atrair a grife do homem mais rico do mundo, Jeff Bezos, consta um decreto específico para as empresas de vendas online, criado na gestão de Paulo.
...mar e ar > Presidente da AD Diper, Roberto Abreu e Lima acrescenta ainda outro detalhe sobre a operação. Assim como acontece no exterior, a Amazon vai utilizar os três modais - aéreo, terrestre e naval - na entrega de suas mercadorias, a partir do centro de distribuição que funcionará no Cabo de Santo Agostinho.
Mais voz... > A prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, fez firme fala em defesa das mulheres no Congresso do PSDB nacional. Para revitalizar a democracia interna, disse, é preciso permitir que mais mulheres possam participar das eleições com voz e poder de opinar.
...delas > Na gestão pública, Raquel trabalha a qualificação profissional de centenas de mulheres e a defesa delas, com a Patrulha Municipal Maria da Penha, que já realizou 200 atendimentos, desde seu lançamento em agosto deste ano.
No Cabo > O ex-ministro Cristovam Buarque estará em Pernambuco amanhã. Vai debater no evento "Desafios da Educação no Brasil" no Cabo de Santo Agostinho. Será no Campus da UFRPE, às 14h30. 

Veja também

Bolsonaro convida Temer para chefiar missão do Brasil de ajuda ao Líbano
BRASIL

Bolsonaro convida Temer para chefiar missão do Brasil de ajuda ao Líbano

Partidos querem liberação de 'livemícios' durante campanha
Eleições 2020

Partidos querem liberação de 'livemícios' durante campanha