Ministra do STF arquiva inquérito sobre Serra e JBS por prescrição

Investigação começou no ano passado após o dono da JBS, Joesley Batista, dizer que combinou pessoalmente com Serra uma contribuição de R$ 20 milhões para a campanha presidencial de 2010

Senador José Serra aparece na campanha referendando teoria de FHCSenador José Serra aparece na campanha referendando teoria de FHC - Foto: Divulgação

A ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), atendeu a um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) e arquivou nesta sexta-feira (9), por prescrição, um inquérito aberto para apurar se o senador José Serra (PSDB-SP) recebeu recursos ilícitos da JBS.

Leia também
Wesley Batista, da JBS, deixa sede da PF em São Paulo
JBS é recebida na Fazenda em reunião sem Meirelles
Dodge pede ao STF arquivamento de inquérito sobre Serra
Serra afirma que não será candidato na eleição deste ano


A investigação começou no ano passado após o dono da JBS, Joesley Batista, dizer que combinou pessoalmente com Serra uma contribuição de R$ 20 milhões para a campanha presidencial de 2010. Desse valor, segundo Joesley, cerca de R$ 13 milhões foram doados oficialmente, e o restante, via caixa dois.

A suspeita era de crime de falsidade ideológica eleitoral (deixar de declarar valores recebidos, prática conhecida como caixa dois). "A submissão seria à pena máxima de cinco anos de reclusão, com prescrição delitiva pela pena abstrata em 12 anos" de acordo com o Código Penal, escreveu a ministra em sua decisão.

"Considerando a notícia de que o investigado, senador José Serra, conta atualmente com mais de 70 anos, a prescrição tem seu prazo reduzido pela metade em razão do favor etário previsto no art. 115 do Código Penal. Logo, para o delito de falsidade ideológica eleitoral, cuja pena máxima é de cinco anos, repito, a prescrição, para o investigado, consuma-se em seis anos", afirmou Rosa Weber.

Como o segundo turno das eleições de 2010 foi em 20 de novembro de 2011, observou a ministra, já se passaram mais de seis anos desde que supostamente foram cometidos os crimes.

Em 19 de janeiro, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, havia pedido o arquivamento. Ela escreveu, na ocasião, que desde que o inquérito foi aberto a pedido de seu antecessor, o ex-procurador-geral Rodrigo Janot, os fatos investigados já estavam prescritos.

Veja também

Confira o resultado do 2º turno das eleições municipais no Recife e mais 17 capitais
Eleições 2020

Confira o resultado do 2º turno das eleições municipais no Recife e mais 17 capitais

Paulo Câmara diz que "vai conversar" sobre espaços ocupados pelo PT no governo
PERNAMBUCO

Paulo Câmara diz que "vai conversar" sobre espaços ocupados pelo PT no governo