Moro aceita denúncia e torna Bendine réu na Lava Jato

Bendine é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e embaraço à investigação

Aldemir BendineAldemir Bendine - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O juiz Sergio Moro recebeu, nesta quinta-feira (24), a denúncia contra o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, Aldemir Bendine, sob acusação de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e embaraço à investigação. Agora, Bendine vira réu e deve responder ao processo. Ele está preso preventivamente em Curitiba.

O executivo é acusado de solicitar R$ 3 milhões em propina para executivos da Odebrecht, a fim de proteger a empreiteira em contratos da Petrobras. O pedido de propina, que teria ocorrido pouco depois da posse de Bendine, em fevereiro de 2015, foi relatado na delação do ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht e do diretor da Odebrecht Ambiental, Fernando Reis.

Leia também:
Moro manda soltar ex-deputado Vaccarezza, sob fiança de R$ 1,5 milhão
Lava Jato: Moro condena Renato Duque e ex-executivos da Andrade Gutierrez
Moro defende manter prisão em 2ª instância


Segundo eles, o executivo se colocou como interlocutor da Presidência na estatal e disse que iria resolver os problemas financeiros de empresas envolvidas na Lava Jato. Moro entendeu que há "indícios suficientes de autoria e materialidade" e, por isso, aceitou a denúncia.

Segundo a acusação, os pagamentos da propina foram feitos em três parcelas de R$ 1 milhão, em espécie, em junho e julho de 2015 -por meio do setor de Operações Estruturadas da Odebrecht.

A pena do executivo, caso seja condenado, pode chegar a 25 anos de prisão.
Também viraram réus os irmãos André Gustavo Vieira da Silva e Antônio Carlos Vieira da Silva Jr., acusados de serem operadores de Bendine, os executivos Marcelo Odebrecht e Fernando Reis, e o doleiro Álvaro Galliez Novis, que teria atuado no pagamento dos R$ 3 milhões.

Outro lado

O advogado de Aldemir Bendine, Pierpaolo Bottini, afirmou que a atuação do ex-presidente na Petrobras "pautou-se pela legalidade", e que não houve benefício à Odebrecht nem a qualquer outra empresa no período em que ele esteve à frente da estatal.

A defesa tem sustentado que, desde o início das investigações, Bendine forneceu dados fiscais e bancários e "se colocou à disposição, (...) demonstrando a licitude de suas atividades". Segundo o defensor, quando esteve à frente da Petrobras, o executivo "intensificou política de ampla e irrestrita colaboração e interação com as autoridades".

Já o advogado Ademar Rigueira Neto, que defende os irmãos André Gustavo Vieira da Silva e Antônio Carlos Vieira da Silva Jr., sustenta que seus clientes realizaram serviços para a Odebrecht, e por isso receberam o valor de R$ 3 milhões em consultoria, para ajudar na liberação de um recurso junto ao Banco do Brasil.
"O dinheiro foi pago em espécie e pelo setor de operações estruturadas a pedido da empresa", disse Rigueira. O defensor afirmou que a denúncia não traz nenhum fato novo e que irá apresentar a defesa no processo.

A defesa de Álvaro Novis informou que ele não era doleiro e que atuou apenas na entrega de valores, a pedido da Odebrecht. "Álvaro não sabe de onde o dinheiro vinha e nem para quem era entregue", informou em nota o escritório Mestieri Advogados, que defende Novis.

Veja também

PSOL não renega origem radical, mas amadureceu, diz presidente nacional do partido
Entrevista

PSOL não renega origem radical, mas amadureceu, diz presidente nacional do partido

De patriotismo a pedagogia cívica, veja críticas e defesas do voto obrigatório
Eleições

De patriotismo a pedagogia cívica, veja críticas e defesas do voto obrigatório