Moro orientou Deltan a não pedir apreensão de celular de Cunha, indica mensagem

De acordo com a reportagem, Deltan e Moro conversaram um dia antes da prisão de Cunha, em 19 de outubro de 2016, sobre o assunto

Moro e DeltanMoro e Deltan - Foto: Marcelo Camargo e Tomaz Silva/Agência Brasil

Uma troca de mensagens aponta que o procurador Deltan Dallagnol foi orientado pelo ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro a não pedir a apreensão do celular do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB) na época da prisão do político, em 2016. O diálogo, obtido pelo site The Intercept Brasil, foi publicado nesta segunda-feira (12) pelo site BuzzFeed News.

De acordo com a reportagem, Deltan e Moro conversaram um dia antes da prisão de Cunha, em 19 de outubro de 2016, sobre o assunto. "Queríamos falar sobre a apreensão de celulares. Consideramos importante. Teríamos que pedir hoje", escreveu Deltan.

Moro respondeu: "Acho que não é uma boa". Na mesma conversa, Deltan pede para se reunir com Moro para "explicar razões" do pleito, entre outros temas.


Leia também:
Bolsonaro surpreende Moro com piada sobre Lula
Conselho que decidirá futuro de Deltan na Lava Jato é composto por 14 membros
Operação Lava Jato só existe graças ao STF, diz Dias Toffoli
Juiz nega liberdade a acusado de hackear autoridades

Os dois acertam um rápido encontro. Cerca de duas horas depois, o procurador escreve: "Entendemos que não é o caso de pedir os celulares, pelos riscos, com base em suas ponderações".

Cunha já havia tido aparelhos apreendidos em uma outra operação derivada da Lava Jato, no fim de 2015, quando ainda era presidente da Câmara.

Na época de sua prisão, ele já estava com mandato cassado e não tinha mais foro especial. Eventuais elos com autoridades com foro expostos em suas conversas poderiam até provocar o remanejamento de seu caso para instâncias superiores.

Outro lado
Tanto Moro quanto a força-tarefa do Ministério Público Federal disseram que os celulares de Cunha já haviam sido apreendidos anteriormente, por ordem do Supremo Tribunal Federal.

O ex-juiz, hoje ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro, e a equipe de procuradores disseram que não reconhecem a autenticidade de mensagens obtidas pelo Intercept Brasi e afirmam que o material tem origem em crime cibernético.

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC