Mulheres e mais velhos são quem mais rejeita ou não decidiu candidato, diz Datafolha

Uma em cada cinco mulheres não sabe em qual candidato votará para a presidência do Brasil

Urna eltrônica Urna eltrônica  - Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom

O principal contingente de votos a ser definido neste segundo turno ainda é o feminino. As mulheres, que formam 53% do eleitorado, respondem por 7 em cada 10 votos indecisos ou em branco/nulo, mostra pesquisa do Datafolha realizada nesta quarta-feira (10) com 3.235 eleitores.

Há, segundo o levantamento do Datafolha, 6% de indecisos e 8% de eleitores que pretendem anular o voto ou votar em branco. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Entre as mulheres, contudo, a soma desses votos passa de 14% para 19% -11% de brancos e nulos e 8% de indecisas. Ou seja: 1 em cada 5 mulheres não sabe em qual dos dois votará ou não quer, ao menos não neste momento, votar nem em Jair Bolsonaro (PSL) nem em Fernando Haddad (PT). A tendência é condizente com a do primeiro turno.

Leia também:
Entidades religiosas organizam manifesto inter-religioso em apoio a Haddad
Bolsonaro, com 58% dos votos válidos, tem 16 pontos de vantagem sobre Haddad, diz Datafolha
Haddad deve procurar FHC após insistir em fechar acordo com Ciro Gomes


O restante se divide entre os dois candidatos, com Bolsonaro numericamente à frente (42% a 39%, com a vantagem dentro da margem de erro). Outra fatia que pode ser explorada por Bolsonaro, o líder da pesquisa com 49% das intenções de voto totais, e Haddad, que tem 36%, é a de eleitores de mais de 60 anos (19% do eleitorado), onde estão 36% dos indecisos.

Também no alvo entrariam aqueles que votaram no tucano Geraldo Alckmin no primeiro turno (4,8%). Alckmin declarou que não apoiará nenhum dos dois candidatos. Segundo o Datafolha, 42% dos que escolheram o tucano votarão agora em Bolsonaro, e 30%, em Haddad. Outros 17% invalidarão o voto e 12% ainda não sabem o que farão no dia 28.

A indecisão ou rejeição a ambos os candidatos é ainda mais pronunciada entre quem escolheu João Amoêdo, o quinto colocado no primeiro turno (2,5%): 1 em cada 3 eleitores do candidato do Novo não quer (18%) ou não escolheu (16%) nem Haddad nem Bolsonaro.

Entre o 1% que optou por Marina Silva (Rede), 33% votará branco ou nulo, e 11% não se decidiu. O Novo não apoiará nenhum dos candidatos, e a Rede recomendou aos filiados que se decidam sobre as eleições presidenciais "de acordo com sua consciência" e pediu que eles não votem em Jair Bolsonaro (PSL).

Esses percentuais são bem maiores do que os 8% de indecisos entre os eleitores de Ciro Gomes, majoritariamente (58%) favoráveis a Haddad. O pedetista, que chegou em terceiro no primeiro turno com 12,5% dos votos, declarou, nesta quarta, seu "apoio crítico" ao petista -sem intenção de participar do governo. Entre seus eleitores, só 18% votarão em Bolsonaro.

Uma curiosidade: dos que votaram no capitão reformado no primeiro turno, 2% disseram ao Datafolha que no segundo turno mudarão o voto para Haddad, e 1% está indeciso. Já entre o eleitorado do petista no primeiro turno, 4% mudará o voto para Bolsonaro; 1% anulará e 5% ainda não sabe o que vai fazer.

O Datafolha ouviu 3.235 eleitores em 227 municípios no dia 10 de outubro de 2018. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. O levantamento foi registrado na Justiça Eleitoral sob o protocolo BR-00214/2018. Os contratantes da pesquisa foram a Folha de S.Paulo e a TV Globo.

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres