Paulo fala em previdência. Para deputados, “não restou opção”

Deputados dizem que gestores “perderam a aposta”

Paulo CâmaraPaulo Câmara - Foto: Ed Machado

Ao afirmar, ontem, que vai propor mudanças na previdência do Estado, independente de o Congresso Nacional aprovar a PEC paralela, o governador Paulo Câmara investiu em movimento que soou, a alguns deputados federais de Pernambuco, como um atestado de que “não restou opção”. Parlamentares grifam que ele “não tem alternativa”, que esse é o “único caminho para equilibrar as contas, arrumar a máquina”. Em reserva, um deputado da bancada pernambucana assinala: “Se essa percepção que ele tem hoje, ele tivesse no começo do ano, tudo teria sido aprovado em conjunto pelo Congresso e não seria necessária PEC paralela, nem que assembleias e câmaras municipais aprovassem isso em ano eleitoral”. Há algum tempo que deputados questionam o discurso “demagogo”, na definição deles, dos governadores do Nordeste, que bateram o pé contra a reforma.

Parlamentares avaliaram que os gestores queriam que o Congresso resolvesse a situação e assumisse só o desgaste, enquanto eles seguiriam fazendo contraponto e se apresentando como “salvadores da pátria”. De lá para cá, os Estados começaram a encaminhar suas reformas e há quem aponte que a postura dos governadores vêm se flexibilizando. Ao tratar do tema ontem, em entrevista à rádio local, Paulo Câmara chamou de “expressivo” o aporte de R$ 2,8 bilhões que o governo precisará fazer em 2019 na previdência estadual. E defendeu que esse é um debate que Pernambuco “precisa fazer”. O socialista argumentou que seu partido, o PSB, foi contrário à reforma proposta pelo governo Jair Bolsonaro, uma vez que “só pegou quem ganha até um salário mínimo e meio”. Para parlamentares, os movimentos recentes de governadores, inclusive de Flávio Dino, do PCdoB, que também propôs alteração na legislação previdenciária, sinaliza que eles fizeram a “aposta errada” e “perderam a aposta”.

 

Sinal para o Centro
Houve quem visse na afirmação de Paulo Câmara sobre a reforma da previdência um aceno aos deputados que já vinham defendendo a pauta. Alguns desses parlamentares, embora integrem a base, tem nomes ventilados para encabeçarem projetos majoritários no Recife em 2020, caso de Raul Henry, Augusto Coutinho, Silvio Costa Filho, André de Paula...
Ano novo... - Na esteira do aumento de 29% nos salário dos vereadores do Recife, em Goiana, na RMR, a Câmara Municipal aprovou, também nos 45 segundos do segundo tempo, a criação de cargos comissionados e reajuste para os já existentes.
...vencimento novo - Os valores aprovados pelos vereadores chegam até quase R$ 9 mil para chefes de gabinete e assessores técnicos e quase R$ 7 mil para assessores parlamentares e coordenadores. O projeto é de autoria da mesa diretora, presidida por Carlos Viegas Jr.
Deu branco - Líder da Oposição, Renato Antunes, que outrora chamava João Campos de “deputado caneta dourada”, agora, quando se refere ao socialista se pergunta: “Como é mesmo o nome dele?”. Renato diz que se esqueceu e termina sem citar.
Pela BR - João Campos, por sua vez, termina o ano rodando não só pelo centro do Recife, mas também por cidades fora da RMR, entrando pelo interior. Tem levado mensagem de boas festas e aproveita a oportunidade para prestar contas do mandato.
Balanço - Inclui, no balanço, ações como a CPI do Óleo, o relatório apresentado na ComexMEC e a proposta para constitucionalizar e ampliar o Bolsa Família, além do projeto de inclusão produtiva, que visa a ocupação de 500 mil vagas ociosas da Lei do Aprendiz. 

Veja também

Câmara aprova MP que amplia uso de assinatura eletrônica
Congresso

Câmara aprova MP que amplia uso de assinatura eletrônica

Furar o teto de gastos poderia levar a impeachment de Bolsonaro, diz Guedes
Política

Furar o teto de gastos poderia levar a impeachment de Bolsonaro, diz Guedes