PF diz que uso de algemas em Cabral foi necessário para garantir “segurança”

Após chegar a Curitiba, Cabral foi transportado com algemas nas mãos e nos pés, na parte traseira da viatura da PF

Ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, é um dos investigados pela Operação Lava JatoEx-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, é um dos investigados pela Operação Lava Jato - Fotos Públicas

A Policia Federal (PF) informou nesta segunda-feira (22) ao juiz federal Sérgio Moro que o uso de algemas durante a transferência do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi necessário para garantir a segurança da operação. Os esclarecimentos da PF foram motivados por um pedido de explicação feito pelo juiz.

Leia também
Moro pede que PF justifique uso de algemas durante transferência de Cabral
Cabral chega algemado a IML de Curitiba
Cabral já foi levado para Base Aérea do Galeão, de onde embarca para Curitiba


Na semana passada, Moro atendeu a pedido do Ministério Público Federal (MPF) e autorizou a transferência de Cabral para o Complexo Médico-Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, diante da constatação da existência de regalias ao ex-governador em um presídio no Rio de Janeiro. Após chegar a Curitiba, Cabral foi transportado com algemas nas mãos e nos pés, e na parte traseira da viatura da PF. Além disso, as algemas das mãos estavam presas a um cinto, impedindo a livre movimentação dos braços. O ex-governador é réu em 20 processos e está preso preventivamente por acusações de corrupção.

Na resposta enviada a Moro, o delegado responsável pelo caso disse que a transferência de Cabral foi realizada desta forma para garantir a segurança da operação. Segundo a PF, o mesmo procedimento foi adotado em situações semelhantes, “não fazendo distinção entre custodiados tendo em vista seu poder econômico ou status social”.

De acordo com os policiais responsáveis pelo caso, o uso de algemas nos pés e nas mãos é justificado diante da situação ocorrida durante a transferência do Rio para Curitiba, com vários repórteres e fotógrafos que estavam na saída do presídio e fizeram “perguntas que poderiam desencadear em agressão”.

“Não é excesso salientar que este núcleo de operações não procura humilhar qualquer preso ou agir de forma abusiva. Pautamos nossa atuação em dados técnicos visando sempre a segurança do preso, da equipe e de terceiros.", disse a PF.

Após a transferência de Cabral para Curitiba, a defesa do ex-governador disse que vai recorrer à segunda instância da Justiça Federal para derrubar a decisão que permitiu a saída dele do sistema prisional do Rio. Os advogados também classificaram o uso de algemas como “espetáculo”.

Veja também

Maioria do STF vota por suspender, durante a pandemia, operações policiais em comunidades do RJ
PANDEMIA

Maioria do STF vota por suspender operações policiais em comunidades do RJ

Senado avalia relatoria dupla com a Câmara para ter peso na discussão de MPs de Bolsonaro
Congresso

Senado avalia relatoria dupla com a Câmara para ter peso na discussão de MPs de Bolsonaro