Polícia e Promotoria poderão ter 'temor excessivo' após projeto de abuso, diz Moro

Segundo o ministro, o texto terá de ser analisado com cautela. "É possível que possamos sugerir vetos

Ministro da Justiça Sergio MoroMinistro da Justiça Sergio Moro - Foto: Isaac Amorim/MJSP

O ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) disse se preocupar que polícia, juízes e Ministério Público temam exercer seu trabalho após a aprovação do projeto sobre abuso de autoridade pela Câmara dos Deputados na última quarta-feira (14).

Segundo o ministro, o texto terá de ser analisado com cautela. "É possível que possamos sugerir vetos. Quem vai decidir isso, evidentemente, é o presidente [Jair Bolsonaro], mas ainda é cedo para informar o que exatamente vamos propor", afirmou. "Ainda que bem intencionado, o projeto para coibir o abuso, temos que tomar cuidado para que ele não tenha efeito de gerar temor excessivo por parte da polícia, do Ministério Público e do juiz em fazer o seu trabalho", completou.

Leia também:
Moro: governo está atento a projetos que cerceiem atividade policial
Ministério de Moro diz que projeto de abuso pode inviabilizar polícia e Ministério Público
Moro diz que avaliará se projeto sobre abuso de autoridade é prejudicial


A declaração foi dada nesta segunda-feira (19) durante visita ao Centro de Operações da Polícia Militar, em Bauru, no interior de São Paulo. Moro conheceu o sistema de videomonitoramento instalado na sede do CPI-4 (Comando de Policiamento do Interior) em parceira com o poder municipal. Ainda durante o evento, Moro foi questionado sobre a transferência do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) para o Banco Central.

"Eu já disse publicamente que nunca pedi para o Coaf ir para o Ministério da Justiça, mas foi colocado. Houve uma alteração na medida provisória, ele foi para a Economia, e se entendeu que a melhor formatação seria ficar vinculado ao Banco Central. O importante é garantir a independência do Coaf e da sua atuação", afirmou.

Em relação a medidas de segurança, Moro citou a queda de aproximadamente 20% nos casos de assassinatos como um indício da redução da criminalidade no país.
Ele destacou o projeto anticrime, apresentado por ele, em fevereiro, ao Congresso. "Acreditamos que levaria a uma redução ainda maior da criminalidade, porque traz instrumentos importantes, não só para coibir a criminalidade, mas para aumentar os mecanismos de investigação à disposição da polícia, do Judiciário e do Ministério Público."

Veja também

Juiz inocenta Dario Messer por crime que doleiro confessou em delação de junho
justiça

Juiz inocenta Dario Messer por crime que doleiro confessou em delação de junho

Achava que não podia ocupar certos espaços, diz 1ª trans eleita vereadora em Aracaju
Eleições 2020

Achava que não podia ocupar certos espaços, diz 1ª trans eleita vereadora em Aracaju