Presidenciáveis comentam medidas do governo sobre greve dos caminhoneiros

Segundo Marina Silva, apesar da influência da alta do dólar na alta dos combustíveis no Brasil, a crise já era previsível, e a Petrobras tem uma "margem para manejar essa situação", com o combustível que é produzido internamente

Pré-candidata à Presidência da República, Marina Silva (Rede) foi sabatinada pela Folha de S.Paulo, UOL e SBTPré-candidata à Presidência da República, Marina Silva (Rede) foi sabatinada pela Folha de S.Paulo, UOL e SBT - Foto: Reprodução/Vídeo

Pré-candidatos à Presidência comentaram nesta quinta-feira (24) a greve de caminhoneiros, que pelo quarto dia bloqueia estradas e prejudica o trânsito e o abastecimento em todo o país em protesto pela alta no custo dos combustíveis.

Em sabatina promovida por Folha, UOL e SBT em São Paulo, Marina Silva (Rede) criticou governo do presidente Michel Temer (MDB) por não se antecipar à crise da alta dos combustíveis e por tomar uma decisão de reduzir o preço do diesel "sob pressão política".  Para ela, a redução anunciada pela Petrobras na véspera, de 10% no valor do diesel, envia a mensagem de que a empresa "não está se comportando de acordo com as regras do mercado".

"Fazendo no olho do furacão, com a pressão política, a mensagem que passou externamente é que a Petrobras não se está se comportando de acordo com as regras do mercado. E aí vai uma desvalorização das ações da Petrobras na ordem de 11%", disse Marina.

Leia também:
Enquanto busca saída, Temer tenta nova trégua a caminhoneiros
Temer age quando crise está fora do controle, diz Marina em sabatina


Segundo a pré-candidata, apesar da influência da alta do dólar na alta dos combustíveis no Brasil, a crise já era previsível, e a Petrobras tem uma "margem para manejar essa situação", com o combustível que é produzido internamente.   "Ninguém altera a tarifa de luz todo dia por causa da variação do dólar", disse.

Também durante evento em São Paulo, o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin afirmou não ter "detalhes das repercussões das medidas" estudadas e negociadas pelo governo Temer e pela Petrobras.

"Vi hoje uma entrevista de um líder dos caminhoneiros dizendo que ele já vinha desde o mês passado alertando, colocando a gravidade do problema. Agora é procurar equacionar para acabar essa greve o mais rápido possível para não ter os efeitos danosos de um colapso", afirmou.

Alckmin disse que, "em momentos de grande volatilidade de preço de petróleo, uma das alternativas é ter colchão tributário, que você possa reduzir e, com isso, minimizar, diminuir um pouco o impacto dessas variações". Mas, ponderou, a Cide [contribuição que incide sobre o diesel] "foi muito reduzida, então hoje o impacto é pequeno". "O governo está estudando a questão do PIS/Cofins", afirmou.

O ex-governador paulista, então, comparou a política de preços de combustíveis de São Paulo com a do país, como tem feito para tentar vender a versão de que administrará o país como fez no estado. "No caso de São Paulo, temos a menor alíquota de diesel do Brasil. A alíquota de ICMS do diesel varia de 12% a 25%, temos de 12%."

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC