Presidente da CCJ prioriza Previdência na pauta, mas centrão quer inverter ordem

Felipe Francischini tomou a decisão após conversas com o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e membros da equipe econômica

Presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Felipe Francischini (PSL-PR)Presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Felipe Francischini (PSL-PR) - Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Felipe Francischini (PSL-PR), decidiu, nesta sexta-feira (12), que a reforma da Previdência e a proposta do Orçamento impositivo serão pautadas na próxima semana, mas com prioridade para o texto que altera as regras de aposentadorias.

Aliados do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), porém, insistem na votação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do Orçamento impositivo antes da Previdência.

A proposta que engessa ainda mais o Orçamento será relatada pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-AL), muito próximo a Maia e líder da maioria na Casa, bloco composto por DEM, PP, PRB, PR, PSDB, PSC, PSD, PTB, MDB e PMN.

Francischini tomou a decisão após conversas com o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e membros da equipe econômica.

Leia também:
Deputado acusa líder do PSL de portar arma no plenário e CCJ interrompe sessão
CCJ analisará parecer sobre reforma da Previdência a partir do dia 15
Maia faz apelo a líderes, mas centrão quer atrasar votação da Previdência na CCJ


Ele, que é aliado do Palácio do Planalto, quer mostrar que a prioridade é a reforma da Previdência.

O centrão deve apresentar requerimento para inversão de pauta, ou seja, para que a proposta venha antes da Previdência.

O presidente da CCJ afirmou que, nesse caso, o plenário da comissão será soberano.
"Se alguém apresentar o pedido de inversão da pauta, eu vou pautar o pedido e o plenário decide".

A oposição tem comemorado a ajuda do aliado inesperado, o bloco liderado por Ribeiro. Os partidos como PT, PSB, PDT e PSOL devem usar a PEC do Orçamento impositivo para protelar o máximo possível a votação da reforma.

Eles, porém, não devem usar o chamado kit obstrução para atrasar a tramitação da PEC do Orçamento e, consequentemente, da reforma da Previdência. O objetivo é usar o tempo regimental de discussão para ganhar tempo, mas sem irritar os demais partidos.

Francischini voltou a cobrar que o Palácio do Planalto melhore a articulação política.
"Não está 100%, mas, pelo menos na etapa da CCJ, eu vejo que há condições de superarmos a votação na semana que vem de maneira que se aprove o parecer do relator".

Nesta terça-feira (9), o relator da PEC, Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), recomendou a aprovação integral do texto enviado por Bolsonaro.

Francischini, porém, reconheceu que as votações no plenário da Câmara podem atrapalhar o andamento da PEC da Previdência na CCJ, que não pode continuar com a análise da proposta quando o plenário examina projetos.

Veja também

Bolsonaro diz que visita de secretário de Estado mostra alinhamento com os EUA por 'bem comum'
Política

Bolsonaro diz que visita de secretário de Estado mostra alinhamento com os EUA por 'bem comum'

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas
Eleições 2020

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas