Primeiras 48h serão decisivas para Bolsonaro; riscos vão de hemorragia a infecções

Alguns fatores da cirurgia de Bolsonaro contribuem para que o risco seja amplificado: trata-se de uma grande cirurgia, de emergência, com necessidade de transfusão de sangue e com lesão vascular

Bolsonaro é esfaqueado em ato em Juiz de ForaBolsonaro é esfaqueado em ato em Juiz de Fora - Foto: Reprodução/Internet

Traumas como o do presidenciável Jair Bolsonaro, que atingiu grandes vasos sanguíneos e órgãos no abdome, são marcados por um período crítico de recuperação nas primeiras 48 horas. Os maiores riscos nessa fase, explica Ludhmila Hajjar, especialista em medicina terapia intensiva e em medicina de emergência e professora da USP, são de hemorragia, inflamação, coágulos, insuficiência renal e infecções.

Leia também
Bolsonaro teve lesão em artéria e nos intestinos grosso e delgado, mas está estável
Polícia nega falha de segurança durante ataque a Bolsonaro
PF instaura inquérito para apurar ataque contra Bolsonaro


Alguns fatores da cirurgia de Bolsonaro contribuem para que o risco seja amplificado: trata-se de uma grande cirurgia, de emergência, com necessidade de transfusão de sangue e com lesão vascular. Na primeira semana ainda existe risco de morte. O candidato deve permanecer na UTI por cerca de uma semana. Se tudo correr bem, em três ou quatro semanas ele poderá, em tese, voltar às atividades cotidianas.

O boletim médico divulgado descartou a possibilidade de lesão no fígado. A artéria mesentérica superior, que leva sangue para parte do intestino, foi lesada e reparada, assim como as lesões no intestino grosso e no intestino delgado. Segundo o hospital, há a chance de Jair Bolsonaro ficar com uma ileostomia, ou seja, uma comunicação do intestino e o exterior através da barriga, mas a decisão ficou para o futuro.

Veja também

Argentinos reagem a liberação de repressor durante pandemia
Argentina

Argentinos reagem a liberação de repressor durante pandemia

Sobreviventes idosos fazem últimos apelos 75 anos após bombardeio atômico no Japão
Mundo

Sobreviventes idosos fazem últimos apelos 75 anos após bombardeio atômico no Japão