Procuradoria de Curitiba pede à Justiça transferência de Lula da PF

Para órgão, permanência de Lula no local tem gerado transtornos a funcionários da corporação e aos moradores da região

Superintendência da Polícia Federal (PF) em CuritibaSuperintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba - Foto: Wikimedia Commons

A Procuradoria da Prefeitura de Curitiba, no Paraná, solicitou, nesta sexta-feira (13), a transferência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) da Superintendência da Polícia Federal (PT) para outro local. No documento, a Administração Municipal afirma que já "exauriu as providências administrativas e judiciais para o cumprimento da ordem judicial, mas não tem atribuição legal para o seu cumprimento, dependendo da Polícia Militar para tanto".

De acordo com o portal de notícias G1 do Paraná, a procuradora-geral do município, Vanessa Volpi Bellegard Palácios, alega que a estada de Lula no local tem gerado transtornos a funcionários da corporação e aos moradores da região.

Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o último sábado (7), depois de se apresentar aos policiais em São Bernado Campo, após atos no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista.

Leia também:
Presença de Lula na Superintendência da PF em Curitiba altera rotina da região
Movimento no entorno da Superintendência da Polícia Federal segue tranquilo
Prisão de Lula muda atendimento na Superintendência da PF-PR


Entenda o caso:

Lula e a ex-primeira-dama Marisa Letícia foram denunciados pelo Ministério Público Federal, por serem supostamente os verdadeiros donos de um triplex no Guarujá. De acordo com a denúncia, as reformas feitas no imóvel pela construtora OAS eram parte de pagamento de propina da empreiteira, que teria sido favorecida em contratos com a Petrobras. O imóvel teria sido reservado para o ex-presidente, mesmo sem ter havido transferência formal, o que configura tentativa de ocultar o patrimônio (ou lavagem de dinheiro). O valor dos recursos citados chegaria a R$ 2,2 milhões.

Em 12 de julho de 2017, o juiz de primeira instância Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, condenou Lula a nove anos e seis meses de prisão. A defesa apelou ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) - em Porto Alegre, segunda instância da Justiça - , mas Lula foi condenado novamente, no dia 24 de janeiro de 2018, e teve a pena aumentada para 12 anos e 1 mês de reclusão.

No dia 4 de abril, com o placar final de 6 a 5, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) negaram o pedido de habeas corpus solicitado pela defesa de Lula na tentava de impedir a execução provisória da pena imposta a partir da confirmação de sua condenação pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Os advogados do ex-presidente sempre negaram as acusações, sustentaram que o julgamento foi político e que houve cerceamento da defesa. No dia seguinte (5 de abril), o juiz Sérgio Moro recebeu um ofício do Tribunal Regional Federal da 4ª Região informando que já não havia obstáculos legais para o início do cumprimento da pena do petista e emitiu a ordem de prisão em seguida.

Veja também

Itália aprova em referendo corte de mais de um terço de deputados e senadores
Itália

Itália aprova em referendo corte de mais de um terço de deputados e senadores

Senadores voltam a Brasília após seis meses e estreiam votação drive-thru
política

Senadores voltam a Brasília após seis meses e estreiam votação drive-thru