PT abre dissidência e diz que apoia manifestações

"As manifestações pacíficas de rua contra Bolsonaro e o fascismo são o fato novo na luta pela democracia e pela vida no Brasil", afirma a nota do Partido dos Trabalhadores

Presidente nacional do PT, Gleisi HoffmannPresidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann - Foto: Zé Britto / Folha de Pernambuco

Um dia depois de o senador Jaques Wagner (PT-BA), vice-líder que está no exercício da liderança do PT no Senado, ter assinado nota conjunta com legendas de oposição que aconselhava as pessoas a não se manifestarem por causa da epidemia do novo coronavírus, o partido lança uma nota dizendo que apoia, sim, as manifestações.

Nesta sexta (5), um texto assinado pela presidente da legenda, Gleisi Hoffmann, e pelos líderes do partido na Câmara, deputado Enio Verri, e no Senado, Rogério Cavalho, afirma que "nós, do Partido dos Trabalhadores, somos solidários aos que participam destes atos e sofrem os ataques da repressão e de provocadores".

Leia também:
Manifestos por democracia viram 'onda' com adesões e veem espaço para crescer
PT, Rede, PSB e PDT pedem que pessoas não protestem nas ruas contra Bolsonaro

Diferentemente da nota divulgada na quinta (4) por senadores da Rede, PSB, PDT, Cidadania e por Wagner, que dizia não ser "ainda" o momento para manifestações porque "a vida e a segurança dos brasileiros" deve ser preservada, o PT recomenda que as pessoas se protejam nos protestos, mas não deixem de participar deles. "Considerando as condições impostas pela pandemia, recomendamos que os participantes das manifestações observem da melhor maneira possível, as medidas recomendadas pela OMS, como uso de máscaras e o distanciamento social", diz o texto petista.

"As manifestações pacíficas de rua contra Bolsonaro e o fascismo são o fato novo na luta pela democracia e pela vida no Brasil. São ações legítimas, protegidas pelo Artigo 5º. da Constituição, que garante de forma expressa o direito às liberdades de expressão, reunião e de associação", afirma ainda o documento.

Leia a íntegra da nota do PT:
"A DEMOCRACIA NÃO PODE SER INTIMIDADA
As manifestações pacíficas de rua contra Bolsonaro e o fascismo são o fato novo na luta pela democracia e pela vida no Brasil. São ações legítimas, protegidas pelo Artigo 5º. Da Constituição, que garante de forma expressa o direito às liberdades de expressão, reunião e de associação.

Considerando as condições impostas pela pandemia, recomendamos que os participantes das manifestações observem da melhor maneira possível, as medidas recomendadas pela OMS, como uso de máscaras e o distanciamento social.
Os militantes democráticos que participam destes atos devem também resistir às provocações e isolar os infiltrados, que já vêm agindo para tentar desvirtuar o caráter das manifestações e dar pretexto à repressão e ao discurso de fechamento do regime.

Nós, do Partido dos Trabalhadores, somos solidários aos que participam destes atos e sofrem os ataques da repressão e de provocadores. A tentativa de criminalização dos movimentos sociais e populares e das manifestações democráticas visa a naturalizar o projeto neofascista e autoritário do atual governo, contrário aos interesses nacionais e aos direitos do povo.

Reafirmamos nosso compromisso com a Democracia, com a Constituição e as instituições democráticas, ao mesmo tempo em que repudiamos de forma veemente toda e qualquer iniciativa voltada a criminalizar, reprimir, intimidar ou manipular os reais objetivos de movimentos e manifestações pacíficas e em defesa da democracia no Brasil.

Não aceitaremos que a Democracia seja intimidada!
Brasília, 04 de junho de 2020.
Gleisi Hoffmann - Presidenta Nacional do PT
Enio Verri - Líder da Bancada do PT na Câmara dos Deputados
Rogério Carvalho - Líder da Bancada do PT no Senado Federal"

Veja também

Maia afirma que programa de transferência de renda de Bolsonaro é 'mais do mesmo'
Política

Maia afirma que programa de transferência de renda de Bolsonaro é 'mais do mesmo'

Oposição fala em 'rachadinha' em gabinete de Bolsonaro na Câmara e diz que pedirá apuração
Investigação

Oposição fala em 'rachadinha' em gabinete de Bolsonaro na Câmara e diz que pedirá apuração