Raquel Dodge afirma no TSE que Lula não pode disputar eleições

Segundo Raquel Dodge, Lula foi condenado pela segunda instância da Justiça Federal e não pode disputar o pleito

Tribunal Superior Eleitoral julga pedido de candidatura de LulaTribunal Superior Eleitoral julga pedido de candidatura de Lula - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A procuradora-geral Eleitoral, Raquel Dodge, pediu há pouco no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a rejeição do pedido de registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República nas eleições de outubro. Raquel Dodge se manifestou durante a sessão na qual o tribunal julga 16 impugnações contra a candidatura do ex-presidente. Segundo Raquel Dodge, Lula foi condenado pela segunda instância da Justiça Federal e não pode disputar o pleito.

Leia também
Gleisi Hoffmann (PT) chama de "ato de violência" celeridade do TSE em julgar Lula
TSE informa que julgará registro de Lula nesta sexta (31); acompanhe ao vivo


“O candidato tem condenação criminal por órgão colegiado, e a candidatura esbarra, portanto, na Lei de Inelegibilidade”, afirmou a procuradora. Lula está preso desde 7 de abril na sede da Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, em função de sua condenação a 12 anos e um mês de prisão, na ação penal do caso do triplex em Guarujá (SP). Em tese, o ex-presidente estaria enquadrado no artigo da Lei da Ficha Limpa que impede a candidatura de condenados por órgãos colegiados. No entanto, o pedido de registro e a possível inelegibilidade precisam ser analisados pelo TSE.

A defesa de Lula se manifesta neste momento no julgamento. Os advogados defendem que ele deve participar das eleições devido à recomendação do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas a favor da candidatura do ex-presidente, além de outras decisões internacionais.

Veja também

Campanha Agosto dourado: mães com Covid-19 devem continuar amamentando
SAÚDE

Campanha Agosto dourado: mães com Covid-19 devem continuar amamentando

Mortes por Covid-19 têm mais relação com autônomos, donas de casa e transporte público
SÃO PAULO

Mortes por Covid-19 têm mais relação com autônomos, donas de casa e transporte público