Raul Jungmann: 'Quem dá a missão, dá o meio'

Ministro realça que Estados e Municípios receberam "montante de crédito que nunca na história da Segurança esteve disponível"

Raul Jungmann e Michel TemeRaul Jungmann e Michel Teme - Foto: Divulgação

Ministro da Segurança Pública, o pernambucano Raul Jungmann recorre a uma expressão do meio militar quando confirma que o presidente Michel Temer lhe deu "carta branca" para montar a equipe que o acompanhará nos 10 meses de ministério. À coluna, o ministro pondera: "Não dá para enfrentar uma tarefa dessa dimensão e não enfrentá-la com total liberdade. Como se diz no meio militar, quem dá a missão dá o meio. Deu a missão, eu preciso dos meios". Refere-se à autorização para trocar qualquer dirigente que fosse necessário, mas, também assegura, nesse contexto, que não faltarão recursos para o setor. "Hoje (ontem), foram disponibilizados R$ 42 bilhões de crédito em cinco anos. Estados e municípios receberam uma ordem de recursos - tudo bem, é crédito, não é recurso concessional - mas receberam montante de crédito que nunca na história da Segurança esteve disponível para automóveis, para equipar polícias, sistemas eletrônicos. E o presidente já disse que vai ter dinheiro. Além disso, todos os recursos da minha pasta são descontingenciados. Vai ter dinheiro", assegura Jungmann à coluna após a reunião que teve, ontem, com governadores e com o presidente, na qual se deu o anúncio de investimentos em Segurança. Então, pondera: "Mas acho mais importante do que dinheiro, você tomar algumas medidas. As pessoas estão, de fato, numa situação de não suportar mais". No caso de Pernambuco, o governador Paulo Câmara chegou a relembrar a Carta do Acre e registrou que, de lá cá, nada saiu do papel. Jungmann notou, entre os gestores estaduais, sentimentos comuns de "angústia, impotência e dificuldade de lidar". Admite que o governo investiu "20 meses na (reforma da) Previdência" e que este foi o "aspecto central" de toda getão, mas que ela "bateu na parede, topou, não tinha mais para onde ir". E projeta que, nessa nova etapa, a hora é de "atender as demandas da Segurança".

Prefeitos convocados por Temer
Depois de receber os governadores, o presidente da República fará convite aos prefeitos de Capital para tratar de Segurança Pública. O encontro pode se dar na próxima quarta-feira.

Tamo Junto >Além dos socialistas, representantes do PT, do PCdoB, da Rede e do PPL prestigiaram o primeiro dia do Congresso Nacional do PSB ontem. Em nome dos petistas, quem marcou presença foi o deputado federal Paulo Teixeira, dos comunistas, Adalberto Monteiro e da Rede, Basileu Margarido.

Quinze dias > Ministro da Educação, Mendonça Filho deixará o ministério para disputar eleições, mas tem dito que só tratará sobre sucessor com o presidente Michel Temer na segunda quinzena de março. Antes disso, não fala sobre o assunto- se indica ou não nome para substituí-lo.

Escala >
A prioridade do PP, segundo o presidente estadual, Eduardo da Fonte, é a chapa de estadual, que deve eleger, diz ele, mais de 12 deputados estaduais. "Depois, na majoritária, é a vaga de senador. E se, eventualmente, Cleiton Collins ocupar a vaga de Senado, quem vai puxar voto na chapa de estadual é a missionária Michele Collins, que foi a vereadora mais votada do Recife", assinala Eduardo à coluna.

Tempo > Lider-mor do PPS-PE, Raul Jungmann, que anda mergulhado nas questões de Segurança do País, não teve ainda nenhuma conversa com o deputado federal Daniel Coelho sobre eventual ingresso dele nas hostes pós-comunistas.

Veja também

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica
Governo Federal

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos
PT x PSB

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos