STF nega revisar condenação do senador Acir Gurgacz

Ele foi condenado em 2018 pela Corte a quatro anos e seis meses, em regime semiaberto, por desvio de finalidade na aplicação de empréstimo de banco público

Senador Acir GurgaczSenador Acir Gurgacz - Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (6), condenado em 2018 pela Corte a quatro anos e seis meses, em regime semiaberto, por desvio de finalidade na aplicação de empréstimo de banco público.

A Corte julgou um pedido de revisão criminal protocolado pela defesa do parlamentar. Os advogados sustentaram no STF que o senador teria direito à redução da pena por ter reparado os danos provocados. Por maioria de votos, os ministros entenderam que a ação não poderia ter sido proposta para definir uma nova pena para Gurgacz.

Leia também:
STF mantém pena de senador Acir Gurgacz, preso em regime semiaberto
Supremo condena senador Acir Gurgacz por crime contra o sistema financeiro
 

Em fevereiro do ano passado, o senador foi condenado pela Primeira Turma do Supremo por crime contra o sistema financeiro nacional. Ele foi considerado culpado por desviar recursos de um financiamento obtido junto ao Banco da Amazônia, entre os anos de 2003 e 2004, quando era diretor da empresa Viação Eucatur. 

Veja também

PEC da 2ª instância no Congresso livra Lula, mas ameaça Flávio Bolsonaro
Política

PEC da 2ª instância no Congresso livra Lula, mas ameaça Flávio Bolsonaro

"Se Guedes insistir, vai perder no Congresso", vaticina Décio
Folha Política

"Se Guedes insistir, vai perder no Congresso", vaticina Décio