Temer diz que seu governo aguenta déficit da Previdência, mas outros não

Ele afirmou que, ao fazer a reforma da Previdência, o governo está pensando nos aposentados, naqueles que vão se aposentar e nos servidores públicos

Michel TemerMichel Temer - Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira (2) que insiste na reforma da Previdência porque apesar de o governo dele aguentar o déficit, outros não aguentarão. “Tenho mais 11 meses de governo. Eu aguento a Previdência. Houve um déficit de R$ 268 bilhões nesse ano que passou, a tendência é aumentar essa dívida previdenciária este ano, mas o meu governo aguenta. Quem não vai aguentar são os próximos anos”, afirmou em entrevista ao programa Super Manhã, da Rádio Jornal de Pernambuco.

Ele ressaltou que, ao fazer a reforma da Previdência, o governo está pensando nos aposentados, naqueles que vão se aposentar e nos servidores públicos, para não ocorrer o que está acontecendo em muitos estados brasileiros. “Em muitos estados, não há pagamento de aposentados, de servidores públicos, há atrasos dos mais variados”, lembrou. “O que nós estamos fazendo é evitar que isso venha a acontecer em pouquíssimo tempo”.

Leia também:
Governo usa exemplo similar a Temer para criticar servidores em Previdência
Temer tem aposentadoria suspensa por não provar que está vivo

Temer comentou também o futuro do programa Bolsa Família. Apesar de ter aumentado o número de famílias assistidas pelo benefício, ele destacou que pretende dar condições para que os filhos das pessoas assistidas trabalhem e, com isso, possam sair do programa. "Nosso ideal não é manter as pessoas indefinidamente no Bolsa Família".

Michel Temer cumpre hoje agenda em Cabrobó, no interior de Pernambuco. Lá, ele participa da cerimônia de Inauguração da 2ª Estação de Bombeamento do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco.

Veja também

Morre José Augusto Farias, ex-deputado pelo PSB
Luto

Morre José Augusto Farias, ex-deputado pelo PSB

Rosa Weber vota contra drible à CF e placar no STF é de 4 a 3 para reeleição de Maia e Alcolumbre
Câmara e Senado

Rosa Weber vota contra drible à CF e placar no STF é de 4 a 3 para reeleição de Maia e Alcolumbre