'Universidade na Rua' em um ato de conscientização sobre a importância da educação

Iniciativa dos alunos e professores de Letras da UFPE foi pensada após bloqueios de verbas para educação anunciado pelo Governo Federal

Joyce Barbosa, copresidente do Diretório Acadêmico de Letras da UFPEJoyce Barbosa, copresidente do Diretório Acadêmico de Letras da UFPE - Foto: Arthur de Souza/ Folha de Pernambuco

Apresentar à sociedade a produção de ciência e conhecimento originados nas universidades é o que motivou professores e alunos do departamento de Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) a criar o projeto “Letras: a Universidade na Rua”. Pela primeira vez, o projeto foi apresentado na Rua Rio Branco, no Bairro do Recife, durante o dia de ontem. A iniciativa foi pensada pelos estudantes após o Ministério da Educação (MEC), do governo de Jair Bolsonaro (PSL), anunciar bloqueios de verbas para a educação no País.

Mais de 40 pessoas, incluindo professores e alunos, estiveram presentes na ação realizada ontem. Copresidente do Diretório Acadêmico de Letras da UFPE, a estudante Joyce Barbosa foi uma das que idealizou o projeto. “Quando saiu a notícia dos cortes nas universidades os alunos queriam montar um projeto para mostrar à população o que se produz de ciência na universidade. Junto com os professores, estamos apresentando as produções de literatura e todo o conhecimento”, comentou Joyce.

Algumas das atividades levadas para a rua foram: oficinas de leitura, varal de poesia e produção de camisetas. No chão da rua Rio Branco, cartazes exibiam conteúdo sobre as línguas do mundo. “É uma forma de mostrar que estamos capacitando pessoas para a manutenção da diversidade e preservação das línguas”, disse a professora de Linguística do departamento de Letras, Maria Luísa Freitas.

Leia também:
Manifestantes realizam segundo protesto contra os bloqueios de recursos na educação
Com guarda-chuva, ministro da Educação nega bloqueio de verbas do Museu Nacional; veja vídeo


Segundo a estudante Joyce, o projeto pretende defender a sociedade. “Estamos defendendo quem no futuro vai precisar do conhecimento. Estamos defendendo a universidade pública, gratuita e de qualidade”, destacou Joyce. No final de abril, o MEC anunciou os contingenciamentos na área que chegavam a R$ 7,4 bilhões. No entanto, uma semana depois da primeira mobilização contra os cortes, que aconteceu no dia 15 de maio, o Governo Federal repôs parte dos recursos bloqueados: R$ 1,6 bilhão, ou 21% do valor que havia sido contingenciado. Nas universidades federais, o corte chega a R$ 2 bilhões, o que representa 30% da verba discricionária (que não inclui gastos obrigatórios como salários, por exemplo).

Devido a esse cenário, o projeto ganhou força no grupo da UFPE. Professora de Língua Portuguesa do departamento de Letras e componente do Núcleo de Estudos e Práticas de Linguagem e Espaço Virtual (Neplev), Evandra Grigoletto defende uma trabalho intenso junto à sociedade. “É apresentar nossa contribuição. Mostrar o que somos e o que fazemos no curso de Letras, ou seja, nossas pesquisas, nossos levantamentos”, disse a professora.

E a equipe não pretende parar agora. “Letras: a Universidade na Rua” deve ser ampliado. “Esse foi o primeiro experimento. Queremos levar para outros locais públicos, como as praças e também transformar em um projeto de extensão”, complementou Evandra.

Veja também

Revés de Crivella é ápice de derrota bolsonarista em base eleitoral
Política

Revés de Crivella é ápice de derrota bolsonarista em base eleitoral

Vitória de Covas é abertura do jogo de Doria contra Bolsonaro em 2022
Política

Vitória de Covas é abertura do jogo de Doria contra Bolsonaro em 2022