Venezuela é 'elefante na sala' da América do Sul, diz Ernesto

Para chanceler, a ditadura venezuelana 'se dedica apenas a se manter no poder a qualquer custo'

Chanceler brasileiro, Ernesto AraújoChanceler brasileiro, Ernesto Araújo - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, disse que a Venezuela se tornou um "elefante na sala" para a América do Sul nesta terça-feira (16) durante a cúpula do Mercosul em Santa Fé, na Argentina.

Ernesto afirmou que a crise no país é o grande desafio que impede que a América do Sul seja "um dos centros geradores de crescimento, tecnologia e prosperidade".

Para ele, a ditadura venezuelana "se dedica apenas a se manter no poder a qualquer custo", o que prejudica os demais países do continente. "O resto do mundo olha para nós com imensa expectativa, só que a primeira pergunta é: 'e a Venezuela?'."

Leia também:
Guaidó anuncia que oposição retomará diálogo com governo da Venezuela em Barbados
Chile proibirá entrada de 'mais de 100' venezuelanos ligados a governo Maduro
Brasil atua para evitar nova Venezuela, diz Bolsonaro ao lado de diplomata dos EUA 

A declaração do chanceler brasileiro ocorre no mesmo dia em que a União Europeia (UE), que recentemente fechou um acordo de livre comércio com o Mercosul, anunciou que prepara uma nova rodada de sanções contra as forças de segurança venezuelanas envolvidas em violações de direitos humanos.

Federica Mogherini, chefe de política externa da UE, afirmou que a morte de Rafael Acosta é um "exemplo contundente" da situação grave do país.

Acosta foi detido em 21 de junho por suposta participação em um plano para depor o ditador Nicolás Maduro, mas morreu após uma semana sob custódia da agência de inteligência militar DGCIM. Advogados disseram que ele mostrou sinais de espancamentos severos.

As autoridades venezuelanas enterraram o corpo contra os desejos da família, que exigiam a realização de uma autópsia.

"A União Europeia está pronta para adotar medidas que visem os membros das forças de seguranças envolvidos em episódios de tortura e outras violações de direitos humanos", afirmou Mogherini.

Os Estados Unidos também anunciaram, no último dia 11, novas sanções contra o órgão de contrainteligência venezuelano após a morte de Acosta.

A representante da UE afirmou ainda que, caso não houvesse avanços nas negociações entre a oposição e o regime de Nicolás Maduro, o bloco poderia aumentar as sanções. 

Veja também

Aumento de indicadores da Covid-19 leva Jaboatão a suspender retorno de aulas para educação infantil
Coronavírus

Aumento de indicadores da Covid-19 leva Jaboatão a suspender retorno de aulas para educação infantil

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças
EUA

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças