Embaixador da Alemanha almoça com jornalistas no Recife

George Witschel reuniu grupo no Leite, depois de audiência com Paulo Câmara

A consulesa geral no Recife, Maria Könnig-de Regueira, o embaixador da Alemanha no Brasil, George Witschel e a editora-chefe da Folha de Pernambuco, Patrícia RaposoA consulesa geral no Recife, Maria Könnig-de Regueira, o embaixador da Alemanha no Brasil, George Witschel e a editora-chefe da Folha de Pernambuco, Patrícia Raposo - Foto: Felipe Ribeiro/FolhaPE

O embaixador da Alemanha no Brasil, George Witschel, a embaixatriz Sabine, e a consulesa geral no Recife Maria Könnig-de Regueira, antes do almoço com jornalistas no Leite, ontem, tiveram audiência com o governador Paulo Câmara. A embaixatriz Sabine mostrou-se encantada com a arquitetura do Campo das Princesas.

Já o embaixador George Wistchel, extremamente simpático e dominando bem o português embora só esteja há cinco meses no Brasil, em conversa descontraída, falou sobre que provou e aprovou caipirinha brasileira, bem como as nossas cervejas artesanais.

A embaixatriz Sabine Witschel com a colunista Roberta Jungmann

Foto: A embaixatriz Sabine Witschel com a colunista Roberta Jungmann
Créditos: Felipe Ribeiro/FolhaPE

Renovou sua intenção de parceria de compromissos com o governo de Pernambuco na área de energia eólica, cooperação do meio ambiente e economia sustentável em Bom Jesus da Lapa, projeto orçado em 2 milhões de Euros e usinas hidrelétricas. Ainda comentou sobre o Governo Trump, afirmando que se os EUA quiser limitar os lucros, o prejuízo será para os dois lados: americanos e europeus.

Ontem à noite, a consulesa Maria Könnig-de Regueira abriu seu belo apartamento na Avenida Boa Viagem para oferecer jantar em torno do embaixador e embaixatriz reunindo o mundo diplomático e autoridades.

Veja também

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista
Coronavírus

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria
internacional

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria