Carta dos Prefeitos do Nordeste será entregue à autoridades durante a Marcha

Um encontro realizado no dia dia 18 de março, em Teresina (PI), reuniu os presidentes de nove associações e federações municipalistas da região formularam a “Carta dos Prefeitos do Nordeste”. O documento congrega as principais pautas dos gestores municipais e vai ser entregue ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante a Marcha em Defesa do Municípios, no próximo dia nove, em Brasília.

Além do presidente da CNM, Glademir Aroldi, Subscreveram o documento, os presidentes da Amupe, José Patriota; da APPM, Jonas Moura Araújo; da AMA, Hugo Wanderley; da UPB, Eures Ribeiro Pereira; da Aprece, Francisco Alves Diniz; da Famem, Erlanio Furtado Luna Xavier; da Famup, George Pereira Coelho; da Femurn, José Leonardo Cassimiro de Araújo; e da Fames, Christiano Rogério Rego Cavalcante; além da coordenadora da CNM para o Nordeste, Rosiana Siqueira.

Entre as pautas está a defesa de um Novo Pacto Federativo mais justo e equilibrado, viabilizado a partir da aprovação do Projeto de Lei 78/2018, relativo à distribuição dos bônus e de royalties do petróleo entre todos os municípios brasileiros. Outra demanda é a aprovação do repasse de 1% extra do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) no mês de setembro de cada ano, bem como a atualização dos valores das despesas dos programas federais.

Desenvolvimento - O grupo de prefeitos do Nordeste quer o Governo Federal mais comprometido com o desenvolvimento da região. Para tal, sugeriu ações tendo como base uma série de eixos: acesso à água; energias renováveis; habitação popular; saneamento e resíduos sólidos; revitalização dos órgãos públicos federais regionais; salário educação; apoio parcial à reforma da Previdência; conclusão da Transposição do São Francisco e retomada das obras da Transnordestina.

Veja também

Regiões onde moradores dependem do transporte público têm mais covid
Coronavírus

Regiões onde moradores dependem do transporte público têm mais covid

OMS reconhece que há provas de transmissão do coronavírus pelo ar
Pandemia

OMS reconhece que há provas de transmissão do coronavírus pelo ar