Dilson Peixoto: 'Silvio Costa serve ao seu senhor, que é Armando'

Dilson Peixoto (PT) - Arquivo Folha

O clima esquentou dentro do PT, após o anúncio da aliança entre a pré-candidata ao governo, Marília Arraes (PT), e o deputado federal Silvio Costa (Avante). Inconformado com o gesto, o dirigente petista, Dilson Peixoto, partiu para o ataque contra Silvio que, na verdade, “serve ao seu senhor, que é Armando Monteiro (PTB)”, pré-candidato a governador pela oposição. Além disso, colocou que, inicialmente, pensou que a atitude de Marília teria sido influenciada pela sua “inocência”. Mas, ao ver outros dirigentes no ato, realizado nesta terça (20), teve a certeza de que o movimento foi “deliberado e tem o objetivo de justificar o abraço dos afogados”.

Segundo Dilson, caso a candidatura de Marília se viabilize, a oposição, liderada por Armando, terá “três candidatos ao Senado”. “Um deles, um cavalo de troia enfiado goela abaixo no PT, que é Silvio Costa. Ele colocou um filho para candidato a deputado federal e outro para estadual pela oposição. Ele, agarrado ao senador Armando, não conseguiu ser candidato a senador pela oposição e agora tentar ser de outra chapa, mas sempre servindo ao seu senhor que é Armando”, disse.

Leia também
Armando: é legítimo PT ter candidatura
Humberto: Aliança entre Marília e Silvio Costa 'não muda nada'
Marília: 'Humberto não precisa do PSB para se eleger'
Para Marília, aliança aumenta viabilidade da pré-candidatura


Além disso, Dilson criticou a postura de outros dirigentes petistas, que estiveram presentes no ato promovido por Marília e Silvio Costa. “É um movimento muito estranho. Até poderia imaginar que era pela inexperiência de Marília. Ela é recém-filiada ao PT e não sabe como o partido funciona. Mas quando vi na mesa a deputada Teresa Leitão, que é ex-presidente do PT e dirigente nacional da sigla, o meu amigo Glaucus, que é vice-presidente estadual, o deputado Fernando Ferro, José Múcio, não posso mais falar de inexperiência. Na verdade é um ato deliberado, que tem como motivo justificar um abraço de afogados”, acrescentou.

Ouça a íntegra da entrevista com Dilson Peixoto no Podcast Folhape: