'É uma eleição que vai discutir quem está com o povo e quem é contra', diz Geraldo Julio

Prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), em entrevista à Rádio Folha - Alfeu Tavares / FolhaPE

O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), após entrevista ao programa do Bocão na Rádio Folha (FM 96,7), na manhã desta quarta-feira (4), conversou com a reportagem da Folha de Pernambuco sobre as perspectivas para as eleições municipais de 2020. Segundo o socialista, o debate nacional deve pautar as campanhas pelo País.

"Eu acredito que o debate nacional vai fazer parte de todo o processo eleitoral do país em todos os municípios brasileiros. São cerca de 5.600 municípios e, em todos, o debate nacional sem dúvida nenhuma vai acontecer porque é um governo que tem uma posição muito demarcada de governar contra a população, sobretudo a população mais pobre", avaliou.

Geraldo acredita que a perda dos direitos sociais e a falta de políticas sociais serão levadas à reflexão para o eleitor. "É uma eleição que certamente vai discutir quem está com o povo e quem é contra o povo. Essa, certamente, será uma das discussões mais importantes que vai acontecer em 2020", disse o prefeito.

Leia também:
Geraldo faz balanço da gestão e critica Bolsonaro: 'Governa de costas para o povo'
Geraldo Julio destaca importância do debate sobre mudanças climáticas


Eleições 2020
Apesar de o PSB já trabalhar o nome de João Campos para a sucessão municipal no Recife e de outros partidos aliados em 2018 terem se colocado na disputa, o prefeito preferiu não antecipar o debate sobre a eleição. "É muito cedo para discutir ainda a articulação política. O PSB e a Frente Popular têm uma tradição de fazer isso mais perto do processo eleitoral, sobretudo nesse tempo de uma crise prolongada, em que as pessoas estão desempregadas, precisando de renda e de trabalho. O foco agora é na gestão, no trabalho", afirmou.

Sobre a manutenção da aliança com PT que se consolidou em 2018, apesar do desejo da deputada federal Marília Arraes (PT) de sair candidata no Recife -, reforçado pela presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann -, Geraldo disse que a postura do PSB será de tentar agregar os partidos, mas não interferir nas decisões de cada agremiação. "O comportamento do PSB nas articulações que vão acontecer vai ser igual a todas as vezes que a gente fez. A gente convida a todos que fazem parte da Frente Popular a participar do processo eleitoral conjuntamente e cada partido toma a sua decisão. E, em 2020, será assim de novo. Mas não fizemos nenhuma conversa ainda sobre a eleição de 2020", disse.