Em petição, Antonio Campos questiona desligamento de sensor de avião

Ex-governador morreu no acidente do Cessna Citation que caiu em Santos, em agosto de 2014 - Edson Silva/Folhapress/Arquivo

Em nova petição protocolada na manhã desta segunda-feira (2), o advogado Antonio Campos apresenta novas suspeitas acerca do acidente que vitimou o ex-governador Eduardo Campos (PSB) e equipe, durante voo em Santos (SP), no dia 13 de agosto de 2014. O advogado, que é irmão do socialista, afirma no documento que o "Speed Sensor" - ou sensor de velocidade da aeronave - "à toda evidência foi desligado, intencional ou não intencionalmente, sendo essa última hipótese de não intencional 2 improvável, o que caracteriza que o avião foi preparado para cair, o que caracteriza sabotagem e homicídio culposo ou doloso". Para ele, o fato é grave e relevante na investigação da causa do acidente, podendo mudar o rumo da investigação.

Na petição, Antonio Campos cita o que chama de fato secundário: o gravador de voz do avião que foi desligado. "O CRV da aeronave deixou de ser energizado e, assim, parou de gravar dados de voz. A última gravação de voz colhida no acidente, que consta no inquérito, pelo menos, foi de 23 de janeiro de 2013". "Se o gravador passou a ter problemas após a sua ida a oficina, também é possível que outros problemas também tenham passado a existir", argumenta.

Além disso, para embasar sua denúncia, Antonio Campos cita um incidente com o avião durante a Labace - evento do setor da aviação - ainda no final de 2012. Na ocasião, um poste caiu sobre a aeronave, que precisou ser levada para manutenção. Segundo o advogado, ao remontar a cauda da mesma, a equipe de manutenção "deixou para trás um problema" - que seria uma falha no sistema de gravação de conversas nas cabines e transmissões radiofônicas.

No relatório da Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) apresentado na petição, o órgão afirma que "não foi possível determinar o motivo pelo qual, a partir de 23 de janeiro de 2013 o CVR da aeronave deixou de ser energizado e, assim, parou de gravar dados de voz".

Ainda de acordo com o advogado, "há indícios que deixou também outro mais grave e relevante problema: a religação do sensor de velocidade, ou Speed Sensor. Sem o Speed Sensor o avião não poderia jamais voar a 200 knots com Flaps ainda por recolher ou em recolhimento. Acontecendo o acima descrito, a 'armadilha' pegou de surpresa os pilotos no momento em que reiniciavam subida após aproximação perdida, sobrevoo da pista e curva à esquerda para retornar ao ponto de início de um novo procedimento de aproximação. Naquele momento, o avião estava leve e com dois ótimos e potentes motores os quais, num instante, aceleraram e ultrapassaram fácil os 200 nós de velocidade *com os Flaps ainda por serem recolhidos".

Para ele, isso tudo pegou, de surpresa, o comandante que, junto com o copiloto, agarraram-se aos manches, na tentativa de recuperar o avião do mergulho. "Voando baixo como estavam, apanhados de surpresa com a PR-AFA mergulhando, sequer tiveram tempo de reduzir imediatamente os dois potentes motores. O acidente tornou-se inevitável. Na hipótese de um acidente encomendado, essa armadilha é algo inteiramente possível para o caso".

Questionado se o fato de o sensor de velocidade desligado não havia aparecido antes nas investigações, Antonio Campos disse que "tinha suspeita" sobre o fato, mas que "agora ficou mais claro". As informações chegaram até ele por meio de relato de peritos que estudam e acompanham o caso para o irmão do ex-governador.

Matéria publicada pela Folha de Pernambuco no dia 5 de fevereiro de 2018 mostrou que, três anos e seis meses após o trágico acidente aéreo que vitimou o ex-governador e sua equipe o caso permanecia em suspenso. Isso porque nenhuma solução foi encontrada, o que tem levado familiares a pressionarem o desfecho das investigações. E questionava: a tragédia seria decorrência de falha humana, falha do equipamento, sabotagem ou problema com o controle do solo? 

"Precisamos de esclarecimentos seguros e mais céleres, pois já se aproxima 4 anos do falecimento de Eduardo Campos, a quem tenho o compromisso de lutar até o fim em descobrir as reais causa do acidente que o vitimou", disse.

Veja também

Carrefour anuncia fundo de R$ 25 milhões para combate ao racismo no país
Beto Freitas

Carrefour anuncia fundo de R$ 25 milhões para combate ao racismo no país

Marília Mendonça diz que já passou por muitos relacionamentos tóxicos
famosos

Marília Mendonça diz que já passou por muitos relacionamentos tóxicos