Jungmann retira Segovia do comando da Polícia Federal

Fernando Segovia - Wilson Dias/Agência Brasil

O novo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, decidiu nesta terça-feira (27) trocar o comando da Polícia Federal e demitir o atual diretor-geral da corporação, Fernando Segovia. O secretário nacional de Segurança Pública, Rogério Galloro, foi indicado para ficar o lugar dele.

A crise envolvendo o nome de Segovia começou quando ele deu uma entrevista à Agência Reuters, afirmando que o inquérito sobre o Decreto dos Portos, que envolve o nome do presidente Michel Temer, deveria ser arquivado. Após a declaração, integrantes da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal se manifestaram pela manutenção da autonomia dos agentes nos inquéritos em curso.

Leia também:
Segovia foi pego de surpresa com anúncio de sua queda na PF
PGR pede que Segovia se abstenha de 'ato de ingerência' em investigações
Segovia diz a Barroso que não falará mais sobre inquérito de Temer
Janot pede ao STF novo inquérito para apurar Temer e o Decreto dos Portos


Em seguida, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, chegou a cobrar explicações de Segovia, que se comprometeu a não fazer novas manifestações sobre fatos relacionados à investigação. Na conversa, segundo o ministro, o diretor da PF também disse que suas declarações à Reuters "foram distorcidas e mal interpretadas", que "em momento algum pretendeu interferir no andamento do inquérito, antecipar conclusões ou induzir o arquivamento" do caso e que também "não teve a intenção de ameaçar com sanções o delegado encarregado, tendo também aqui sido mal interpretado".

Ainda nesta segunda-feira (27), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, censurou as declarações do diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, sobre o inquérito que investiga Temer. Ela pediu que Luís Roberto Barroso expeça uma ordem para que Segovia se abstenha de "qualquer ato de ingerência sobre a persecução penal em curso", inclusive de manifestações públicas a respeito das investigações, sob pena de afastamento do cargo.

"Quaisquer manifestações a respeito de apurações em curso contrariam os princípios que norteiam a Administração Pública, em especial o da impessoalidade e da moralidade", afirmou Dodge. Para ela, o cargo ocupado por Segovia tem natureza administrativa, de forma que o seu titular não tem atribuição para conduzir investigações.

Decreto dos Portos
Barroso autorizou em setembro a abertura de um inquérito para investigar suposto esquema que teria beneficiado a empresa Rodrimar, que atua no porto de Santos. A Rodrimar já foi citada em inquérito sobre Temer no STF. O presidente foi investigado sob suspeita de participar de um esquema de cobrança de propina de concessionárias do porto de Santos.

Uma planilha entregue à PF atribuía o pagamento de R$ 1,28 milhão em propinas, sendo metade para uma pessoa identificada como "MT". A polícia entendeu que as iniciais se referiam a Temer, então deputado federal, que já detinha foro privilegiado. A investigação foi remetida ao Supremo.

Veja também

Satisfeito, Hélio dos Anjos afirma que 'busca por competitividade' provocou mudanças
Náutico

Satisfeito, Hélio dos Anjos afirma que 'busca por competitividade' provocou mudanças

Trump dá indulto a ex-conselheiro que se disse culpado
internacional

Trump dá indulto a ex-conselheiro que se disse culpado