[Opinião] Canibal

Cannibal, vocalista da banda Devotos, disse no seu livro Música para o povo que não
ouve (CEPE, 2018) que sua história com a música começou quando se deu conta que fazia parte da população brasileira que teve seus direitos básicos negados. Entre ficar calado e gritar, Cannibal resolveu gritar! Assim, quando a Assembléia Legislativa de Pernambuco, em Sessão Solene, homenageia a banda de punk rock hardcore Devotos pelos seus 30 anos de contribuição à cultura pernambucana, de certa forma é um indicativo de que o grito de Cannibal foi ouvido. Mais: é possível perceber Cannibal, Cello e Neilton como representantes dos negros (pretos e pardos) das nossas periferias. Entendo essa solenidade como uma espécie de reparação do poder público, que cumpre a tarefa de destruir, do imaginário das pessoas, a discriminação e o racismo que ele mesmo forjou outrora.

De fato, se nos reportássemos ao Brasil dos anos 1870/1930, tanto o poder público
quanto os intelectuais ajudaram a construir certa ideia sobre os negros, identificando-os como degenerados. Os europeus (que se reconheciam como aptos) apostavam em quantos anos o Brasil desapareceria, por causa da inapta negritude e mestiçagem. Nossa intelectualidade (via Institutos Históricos e Geográficos, museus, Faculdades de Direito e de Medicina) se amparava especialmente no Darwinismo Social e colocava-se a estudar não o crime, a doença, o intelecto, a higiene, mas o criminoso, o doente, o incapaz intelectualmente, o sujo, o miserável – de antemão, negros (pretos e pardos). Enquanto isso, o poder público efetivava políticas de branqueamento, de saneamento, de reclusão, de hospícios... Institucionalizava o racismo biológico.

Mesmo com a posterior refutação ao Darwinismo Social e a criação da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), ficou no imaginário de muitos brasileiros a repulsa diante da cor, do cabelo, do nariz, da pele, do cheiro dos negros (pretos e pardos). Não é a toa que foi preciso efetivar uma lei para tratar o racismo (agora social) como crime. Pior, dados como os trazidos pelo Atlas da Violência 2019 (produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública) comprovam que, do total dos homicídios que ocorreram no Brasil, 75,5 % dos mortos eram negros... Então, Cannibal, por favor: continue a gritar!

*Kelma Beltrão é doutora em Educação pela UFPE e Professora da FAFIRE
[email protected]

Veja também

Kourtney diz estar livre de 'ambiente tóxico' ao deixar Keeping Up With The Kardashians
Celebridades

Kourtney diz estar livre de 'ambiente tóxico' ao deixar Keeping Up With The Kardashians

Pernambucana investe durante pandemia e faz sucesso com máscaras infantis
coronavírus

Pernambucana investe durante pandemia e faz sucesso com máscaras infantis