Afastado da vida partidária do PSB, apoio de Barbosa é cortejado por presidenciáveis

Carlos Humberto/SCO/STF

Em esforço para ampliar o movimento que busca uma terceira via na eleição para o Planalto em 2022, presidenciáveis que assinaram o manifesto em defesa da democracia intensificaram nos últimos dias conversas paralelas para tentar atrair novos apoios para a causa. O ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa (PSB), a ex-ministra Marina Silva (Rede) e o apresentador Danilo Gentili (sem partido) entraram no radar de integrantes do grupo, que tenta evitar a polarização entre Jair Bolsonaro (sem partido) e Lula (PT).

Os seis pré-candidatos que lançaram em março o Manifesto pela Consciência Democrática - Ciro Gomes (PDT), Eduardo Leite (PSDB), João Amoêdo (Novo), João Doria (PSDB), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Luciano Huck (sem partido) - têm agido mais individualmente do que em conjunto.

Barbosa, embora esteja filiado ao PSB desde 2018, quando ensaiou uma candidatura à Presidência, permanece afastado da vida partidária. Do Rio de Janeiro, onde mora, o ex-ministro - célebre pela atuação no processo do mensalão - acompanha com discrição as discussões sobre 2022.

Seu nome tem sido cada vez menos citado como uma possibilidade dentro do PSB, sobretudo depois da decisão do STF que devolveu a Lula o direito de concorrer. A legenda ainda discute seus rumos, mas é cortejada por siglas como PT e PDT para alianças e não descarta lançar candidato próprio.

Veja também

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante
Coronavírus

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante

Senado aprova redução na tarifa de energia elétrica por 5 anos
CONTA DE ENERGIA

Senado aprova redução na tarifa de energia elétrica por 5 anos