Candidatos a prefeito do Recife se preparam para o guia eleitoral

Não tão fundamental para a definição do voto quanto em eleições anteriores, o horário eleitoral gratuito ainda mantém a sua importância para o pleito municipal deste ano. Não por acaso, segue como um dos critérios importantes para a construção das coligações. "No passado ele era praticamente a única fonte de informação aos eleitores. Com as redes sociais, há formas alternativas, mas os programas de rádio e de televisão continuam sendo uma variável importante no processo eleitoral. É preciso considerar que alguns segmentos socioeconômicos utilizam rádio e TV como forma prioritária de informação, por isso, na composição das chapas, isso é um dos principais pontos que foram levados em consideração", avalia a cientista política e professora da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda, Priscila Lapa. 

O economista e estrategista eleitoral Maurício Romão ressalta que, em uma realidade de pandemia, na qual, em tese, as pessoas passam mais tempo em casa, o guia pode ter um alcance maior do que teria em uma situação normal. "Lógico que é preciso reconhecer que o guia convencional, estático, vem perdendo paulatinamente a sua força, mas a televisão segue sendo importante na captura do voto e no convencimento e diálogo com o eleitor", avalia o estrategista, acrescentando que as redes sociais contam com um grande poder de impacto, mas "são mais segmentadas, e não de massa, como a televisão". 

Para 2020, o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco ainda não divulgou o tempo que cada candidatura à Prefeitura do Recife terá no guia eleitoral, que será exibido por 10 minutos à tarde e 10 minutos à noite, de segunda a sábado. Entretanto, é possível estimar o tempo que cada candidatura terá à disposição, considerando dados calculados por Maurício Romão referentes ao tempo que cada partido tem direito.

Tempo

A candidatura de João Campos abre uma boa dianteira em relação aos adversários, uma vez que são levados em conta os tempos dos seis partidos da coligação com maior representatividade na Câmara Federal: PSB, PDT, MDB, PP, PSD e Republicanos. Com isso, o socialista deve concentrar perto dos 40% do tempo total disponível aos candidatos.

Ainda com base no levantamento feito por Romão, Mendonça Filho (DEM) deve contar com cerca de 20% do guia eleitoral majoritário diário, seguido por Marília Arraes (PT), com pouco mais de 10% do tempo total. O PSL, que tenta eleger Carlos Andrade Lima como prefeito, também deve estar no patamar dos 10% do tempo. As candidaturas da Delegada Patrícia Domingos (Podemos), do Coronel Alberto Feitosa, e do procurador Charbel Maroun (Novo) devem ter, cada uma, menos de 5% dos 10 minutos totais.

Por seus partidos e coligados não possuírem representação na Câmara Federal, Marco Aurélio (PRTB), Cláudia Ribeiro (PSTU), Thiago Santos (UP) e Victor Assis (PCO) não têm direito a tempo de televisão.

O advogado especialista em direito eleitoral Emílio Duarte, explica que esta é a primeira eleição na qual vai vigorar a cláusula de barreira contida na Reforma Política de 2017. "Eles não têm direito à propaganda eleitoral gratuita, via rádio e televisão e perdem também o acesso aos recursos do Fundo Partidário. Eles têm direito apenas a 2% do Fundo eleitoral, que é dividido de forma igual aos 33 partidos autorizados no Brasil pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Por essa razão, alguns partidos se fundiram, o PHS, por exemplo, juntou-se ao PTN e virou o Podemos. O PCdoB, mesmo sendo um partido orgânico também não atingiu a cláusula e se fundiu ao PPL", esclarece Emílio Duarte.

Recado

Com muito ou pouco tempo no guia, os candidatos o utilizarão para cativar o eleito. O Coronel Alberto Feitosa (PSC) pretende mostrar quem é, segundo ele próprio, sem "produção cinematográfica". "Vamos mostrar o Recife real, contar o que vemos e ouvimos das pessoas", afirma. Ele acrescenta ainda que pretende utilizar a associação a Bolsonaro que já é feita por seus eleitores. "Já existe, mas vamos explorar", pontua. Carlos Andrade Lima (PSL) garante que sua campanha será "100% propositiva" e já começou a gravar o guia com "propostas voltadas para a cidade". 

Marília Arraes (PT) optou por não adiantar nenhuma informação sobre o guia eleitoral. "O programa eleitoral é um instrumento estratégico de campanha. Por ser  estratégico, não antecipamos", disse. Caso o guia siga o mesmo caminho já utilizado nas redes sociais, deve haver a aposta pela proposta do "Recife Cidade Inteligente" construído ao longo da pré-campanha. Também tomando como base o material já divulgado, João Campos deve utilizar o tempo maior que o dos adversários para mostrar sua movimentação pela cidade como um todo. Seus projetos ao longo dos dois anos como deputado também devem ser abordados.

Caso espelhe as redes sociais, a Delegada Patrícia Domingos deve focar em sua atuação no combate à corrupção e na tecla de que representa o novo que pode pôr fim à sequência de vitórias do PSB e do PT. Mendonça Filho (DEM) deve adotar discurso similar, enfatizando que o Recife precisa superar o "grupo político" que está na gestão há duas décadas, além de ressaltar sua atuação como governador e ministro da Educação, para se mostrar mais experiente que os demais postulantes.