Carlos Siqueira abre as portas do PSB para Flávio Dino

Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, confirmou, ontem, que convidou o governador do Maranhão, Flávio Dino, filiado ao PCdoB e um dos nomes cotados para a disputa presidencial em 2022, para se filiar ao partido socialista. Apesar de negar que o movimento tenha relação com o pleito presidencial, Siqueira reconhece que o gestor estadual é um “grande quadro” e que o partido está de “portas abertas” para recebê-lo. Vale lembrar que o PSB possui maior fundo eleitoral e mais tempo de televisão em comparação ao PCdoB. 

“Essa conversa já aconteceu há algum tempo, mas não se discutiu candidatura. Ele nunca falou isso comigo. É um grande quadro, o PSB está de portas abertas. Vamos ver. Depende dele (ir para o PSB)”, disse Siqueira. O dirigente, contudo, ressalta que “uma candidatura tem que ser construída por quem está dentro do partido” e que qualquer candidato tem que passar pelo processo que todos os anteriores passaram, incluindo o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que era o candidato à Presidência da República nas eleições de 2014 pelo PSB. 

Flávio Dino tem se posicionado como um articulador na construção de uma frente de esquerda. Ele, inclusive, já participou de transmissões de conversas virtuais tanto com o ex-presidente Lula, do PT, quanto com o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, do PDT.

À Folha, a assessoria de imprensa de Flávio Dino informou que o PSB compõe o Governo do Estado do Maranhão, junto com o PCdoB e que, por conta disso, e “também por conta de amizade pessoal”, o gestor “tem bastante diálogo com o presidente Carlos Siqueira.” Ao O Globo, Dino ressaltou que a sua relação com o PSB “vem de antes do Eduardo Campos” e lembrou que foi vice-líder do bloco PSB-PCdoB na Câmara. “Temos uma trajetória em comum e, por isso mesmo, te diria que, nesse processo de reaglutinação da esquerda, o PSB é um parceiro preferencial do PCdoB”, disse. No entanto, governador acrescentou que “jamais colocaria sobre a mesa a candidatura de 2022 para ir para o PSB. Seria desrespeitoso.”