Carlos Veras defende prorrogação do seguro-desemprego

O desemprego no Brasil aumentou 27,6% em quatro meses de pandemia, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A taxa de desocupação no país é de 13,6%. Diante desse cenário de crise, o deputado federal Carlos Veras (PT/PE) apresentou, com outros parlamentares do Núcleo do Trabalho do PT, o Projeto de Lei 3618/20 que amplia para sete o número de parcelas do seguro-desemprego que podem ser concedidas às trabalhadoras e aos trabalhadores demitidos durante a pandemia e nos seis meses subsequentes. Atualmente, o segurado pode receber de três a cinco parcelas. 

De acordo com o parlamentar pernambucano, o desemprego, a alta dos preços dos alimentos e a redução do auxílio-emergencial têm tornado a vida de grande parte da população muito difícil. “É dever do Estado adotar medidas para garantir renda à população diante da calamidade pública que estamos vivendo. A prorrogação do seguro-desemprego é uma saída para milhões de famílias de trabalhadoras e trabalhadores que perderam o emprego em plena pandemia. Mais de 5 milhões de pessoas deram entrada no pedido do benefício este ano, o número é 6,7% maior do que do ano passado”, explica Carlos Veras. “Os representantes dos trabalhadores também estão pressionando a prorrogação por meio do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Condefat). Esperamos que por lá ou pelo Congresso essa prorrogação aconteça. Vamos continuar mobilizados”, acrescenta.

Devido à pandemia, as sessões na Câmara dos Deputados ocorrem de forma remota e as matérias estão sendo votadas diretamente pelo Plenário, sem passar pelas comissões. As pautas são definidas nas reuniões dos líderes e, por acordo entre todos os partidos, matérias relacionadas ao enfrentamento da Covid-19 são prioritárias. “Por isso, é importante a sociedade acompanhar os trabalhos do Legislativo e fazer pressão para temas que são de seu interesse”, completa Veras. 

Também assinam a proposta os deputados federais, Bohn Gass (PT/RS), Rogério Correia (PT/MG), Vicentinho (PT/SP), Leonardo Monteiro (PT/MG) e Érika Kokay (PT/DF).