Carta do ex-ministro Raul Jungmann ao Supremo divide opiniões de lideranças políticas

Marcelo Camargo/Agência Brasil

A carta aberta aos ministros do Supremo Tribunal Federal escrita pelo ex-ministro da Segurança Pública e da Defesa, Raul Jungmann, dividiu a opinião de lideranças políticas. No texto, o ex-ministro pernambucano alerta que os decretos de Jair Bolsonaro ampliando o acesso a armas são uma ameaça à democracia, pois politizam uma questão de segurança pública e estimulam guerra civil. Nas redes sociais, a carta teve ampla repercussão e foi compartilhada por diversas lideranças políticas de oposição ao Governo.

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, elogiou a iniciativa de Raul Jungmann. O dirigente elogiou o ex-ministro e disse que ele é "muito competente e um corajoso e verdadeiro democrata". "É isso aí caro,  Raul Jungmann. Muito bem dito. Política armamentista de Bolsonaro pode gerar guerra civil, diz ex-ministro da Segurança", compartilhou. 

Os elogios não tiveram o aval do líder do Governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB). O parlamentar avaliou que o ex-ministro exagerou nas críticas. Ele também defendeu os decretos editados pelo presidente Bolsonaro e disse que o aliado foi eleito com essa bandeira. "A possibilidade de adquirir uma arma não significa guerra civil. Agora, acho que é preciso controle, maior fiscalização e ter cuidado com a diferença entre posse e porte", destacou, em entrevista a Rádio Jornal, nesta segunda-feira (22).

Veja também

Após anunciar despedida, Júnior Tavares acerta renovação com Sport até o fim do ano
Futebol

Após anunciar despedida, Júnior Tavares acerta renovação

Veja como foi a primeira noite com medidas restritivas mais rígidas em Pernambuco
DECRETO

Veja como foi a primeira noite com medidas restritivas mais rígidas em Pernambuco