Comissão de Educação aprova PL que cria o Sistema Nacional de Educação

Beto Barata/Agência Senado

Leia Também

• Deputado se reúne com presidente do Fundo Nacional de Educação para destravar verba para municípios

• Fachada do Centro de Educação da UFPE ganha novo painel em homenagem a Paulo Freire

• Raquel Lyra recebe Movimento Todos pela Educação em encontro promovido pelo ITV Pernambuco

A Comissão de Educação aprovou, nesta terça-feira (7), projeto que institui o Sistema Nacional de Educação (SNE). O líder do PSB na Câmara, deputado Danilo Cabral, afirmou que a proposta é fundamental para garantir a gestão compartilhada da política de educação pública, entre municípios, estados, Distrito Federal e União. 

O Sistema estava previsto para ser criado desde 2016, segundo o Plano Nacional de Educação (PNE). De acordo com o PLP nº 25/19 aprovado no colegiado, o Sistema Nacional de Educação fixa normas para a cooperação entre a União, estados, Distrito Federal e municípios nas políticas, programas e ações educacionais, em regime de colaboração.

“Tivemos avanços expressivos na educação desde a Constituição de 1988, como a vinculação de recursos, o Fundef, o Fundeb, o PNE. Mas ainda estava faltando a estruturação desse sistema que garantirá uma gestão tripartite compartilhada e dará um caminho estruturante para a educação pública brasileira”, reforçou Danilo. 

@@[email protected]@

Durante a votação, a deputada Tabata Amaral (PSB-SP) orientou favorável à proposta. “Esse texto é resultado de uma construção conjunta.” A socialista lembrou de duas importantes contribuições para a educação brasileira. “Uma delas é o Fundeb, aprovado em 2020, e a segunda, damos o primeiro passo com a aprovação do Sistema Nacional de Educação, nessa comissão”, reforçou.

O PLP prevê que caberá à União a coordenação do SNE. Cada um dos entes federados deverá instituir por lei específica o seu sistema de ensino. Entre os principais objetivos estão a igualdade e equidade de acesso e permanência na escola; justiça e igualdade na promoção dos direitos humanos, da diversidade sociocultural e da sustentabilidade socioambiental; e equidade para o estabelecimento de prioridades na alocação de recursos e definição de políticas educacionais. 

O texto segue agora para análise da Comissão de Finanças e Tributação e, em seguida, para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Veja também

Abertas as inscrições para seleção pública simplificada da Saúde com 240 vagasPernambuco

Abertas as inscrições para seleção pública simplificada da Saúde com 240 vagas

Estudo aponta ligação entre consumo de adoçantes na gravidez e obesidade na criançaSaúde

Estudo aponta ligação entre consumo de adoçantes na gravidez e obesidade na criança