Consórcio discute chegada de vacinas

Pascal Guyo/AFP

Após aprovação da Anvisa para importação excepcional das vacinas Sputnik V e Covaxin contra a Covid-19, o Consórcio Nordeste se articula em agendas técnicas e encaminhamentos para dar início a vacinação no Brasil com a imunização. Hoje, a previsão é de uma agenda com o Fundo Soberano Russo e o Ministério da Saúde Russo. A pauta será o cronograma de entrega das vacinas. O Ministério da Saúde Brasileiro não havia confirmado a participação no encontro até a noite de ontem. No sábado, um dia após a aprovação circunstancial da Anvisa , os governadores do Norte e Nordeste estiveram reunidos.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), usou o Twitter para falar sobre a reunião e reafirmar a necessidade de ampliar a imunização. "Tratamos da aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) da importação e do uso da vacina Sputnik V no Brasil. Estamos analisando todos os aspectos relevantes para que a utilização de mais esse imunizante nos ajude a ampliar a vacinação da nossa população com segurança, eficácia e obedecendo todos os protocolos sanitários. Vacinas salvam vidas.", escreveu o governador socialista.

Articulação gestores

A vacina Sputnik chega ao Brasil por fruto de uma articulação dos gestores estaduais com a Rússia. Assim como este imunizante, outras doses também chegam ao País até o final do mês de junho por causa de tratativas dos governadores.

Nesta segunda, o governador Wellington Dias (PT - PI), presidente do consórcio Nordeste, anunciou que a ONU confirmou a entrega de mais de 4 milhões de doses da AstraZeneca/Covax Facility. As remessas chegam ao Brasil nos dias: 14, 16, 21 e 23 de junho e serão distribuídas pelo Plano Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde. 

Veja também

Pernambuco recebe novo lote com vacinas da Pfizer nesta quinta-feira (24)
Vacinas

Pernambuco recebe novo lote com vacinas da Pfizer nesta quinta-feira (24)

Empresário disse a embaixador que emenda de líder do governo destravaria Covaxin, mostra documento n
CPI DA COVID

Empresário disse a embaixador que emenda de líder do governo destravaria Covaxin, mostra documento n