Críticas e propostas dividem guia eleitoral dos candidatos à Prefeitura do Recife

Em mais um dia de programa eleitoral exibido à noite, candidatos à Prefeitura do Recife apresentaram suas propostas de gestão para conquistar o voto do eleitor recifense. Já a delegada Patrícia Domingos (Podemos), Alberto Feitosa (PSC) e Mendonça Filho (DEM), do campo da oposição de centro-direita, adotaram um tom mais duro. 

No Dia dos Professores, a educação foi a aposta de alguns dos postulantes. João Campos (PSB) também dedicou seu programa eleitoral para apresentar suas propostas na área. Ele prometeu criar o Programa Embarque Digital que vai garantir bolsas de estudos em cursos tecnológicos de nível superior para os alunos de escolas públicas. Já Marília Arraes abriu seu guia com uma homenagem aos docentess e teve como estrela maior do programa um depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O líder petista saiu em defesa do projeto da correligionária e disse que o partido tem um legado no Recife.

Com tom propositivo, Carlos Andrade de Lima (PSL) apresentou sua ambiciosa proposta de construir um VLT elevado que, segundo ele "vai cruzar a cidade de norte a sul, de leste a oeste, com toda segurança". E Charbel (Novo) prometeu conceder títulos de propriedade para os moradores que mais precisam. 

Em tom mais forte, Patrícia Domingos criticou o programa Crédito Popular de João Campos, que oferece um incentivo ao empreendedor de R$ 3 mil e ressaltou o auxílio emergencial do governo Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia da Covid-19. “Só quem ajudou o povo do Recife durante esse período foi o presidente Bolsonaro que vocês tanto criticam”, disse. Com alfinetadas ao atual governo, Mendonça Filho (DEM) optou para falar sobre a “indústria da multa” e os impostos do Recife. Na ocasião, o candidato democrata prometeu congelar o IPTU e a taxa de lixo por dois anos e fazer ouvidoria e um pente fino em todas as contas e cobranças da Prefeitura. “O recifense é o cidadão que mais paga imposto do Norte/Nordeste do Brasil”, criticou o prefeiturável.

Enquanto isso, Alberto Feitosa (PSC) voltou a falar que o Recife "não pode continuar sendo propriedade privada de uma família" se referindo aos candidatos João Campos e Marília Arraes.