Deputados pernambucanos cobram votação do novo Fundeb

Marcelo Camargo/Agência Brasil

A votação da proposta de emenda à Constituição (PEC), que cria o novo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), marcada para o início da próxima semana, repercute entre deputados federais pernambucanos. A versão atual do Fundo vence no dia 31 de dezembro deste ano. 

Para Marília Arraes (PT) é "fundamental aumentar a pressão" para que a PEC 15/2015 seja aprovada e sancionada pelo Congresso Nacional. "Em tempos de pandemia é mais urgente ainda garantir os recursos para a educação no país que não consegue controlar a disseminação do novo coronavírus. #VotaFundeb", escreveu no Twitter. 

Já João Campos (PSB), destacou que "sem a renovação do atual fundo para a educação, que termina em dezembro deste ano, várias escolas públicas do país podem ficar sem dinheiro em 2021." Além dele, o também socialista Danilo Cabral defendeu a votação e apontou que 63% dos recursos da educação básica são do Fundeb. "

Renildo Calheiros (PCdoB), por sua vez, ressaltou a importância do Fundo. "Pra se ter ideia da importância do #FUNDEB, ele é responsável por quase metade de todo recurso investido na educação básica da rede pública. Além disso, ao definir um valor mínimo a ser investido em cada aluno independente de onde ele more, ajudou a diminuir as desigualdades." 

Nesta terça-feira (14), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou a votação do novo Fundeb para a próxima semana. Ele informou que faltam ainda alguns ajustes no texto e que a relatora, deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), deve reunir-se com o novo ministro da educação, Milton Ribeiro, para discutir alguns pontos da proposta.  "A participação do governo foi escalonada até o ano de 2026, está correto, está bem justo, e ainda pode fazer revisões. Vamos tentar melhorar o texto, mas, claro, que um texto construído com todos os partidos é um texto no qual todos cedem. As regras melhoraram e vamos ter uma boa votação na próxima semana”, disse Maia. 

Com informações da Agência Câmara de Notícias