Deputados querem acelerar votação de licença compulsória de vacinas contra Covid

Parlamentares da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados defenderam a votação urgente de propostas que vão permitir a licença compulsória de vacinas e medicamentos contra a Covid-19. A comissão realizou audiência pública nesta quinta-feira (29) para discutir as vantagens, consequências e meios de obter essa licença.

Os debatedores observaram que, atualmente, a Lei de Propriedade Industrial já permite a licença compulsória por um simples ato do Poder Executivo. No entanto, a maioria concordou que mudanças na legislação poderiam facilitar o processo, que se tornaria mais rápido e menos burocrático.

No Senado, foi aprovada nesta quinta-feira o Projeto de Lei 12/21, que permite a suspensão de patentes para tratamento da pandemia de coronavírus. A proposta deverá ser discutida na Câmara com outros projetos que foram apresentados por deputados – o PL 1184/20, de Jandira Feghali (PCdoB-RJ); o PL 1462/20, de Alexandre Padilha (PT-SP); o PL 329/21, de Heitor Freire (PSL-CE); o PL 1247/21, de Aécio Neves (PSDB-MG); e o PL 1314/21, de Danilo Cabral (PSB-PE).

Atraso
O deputado Alexandre Padilha afirmou que o País não pode depender da vontade do Executivo para emitir licenças compulsórias em situações de emergência pública. "Mesmo com toda pressa, demora para iniciar a produção", comentou.

Já o deputado Pedro Westphalen (PP-RS) mostrou preocupação com a capacidade de produção de vacinas e medicamentos que tiverem licença compulsória. "Vejo que são instrumentos importantes para nosso desenvolvimento e a exploração dos nossos potenciais."

A deputada Jandira Feghali afirmou que o Congresso está atrasado na discussão sobre a capacidade de inovação e produção de insumos e equipamentos para saúde. "Estamos perdendo muitas vidas com a dependência de tecnologia", lamentou. "A gente depende da importação de luvas, máscaras e equipamentos de proteção individual."

A deputada Vivi Reis (Psol-PA), que solicitou a audiência pública junto com Jandira Feghali, lamentou os cortes em recursos públicos para universidades federais e para ciência. "A indústria farmacêutica recebeu quase 100 bilhões de euros de recursos públicos", observou. "Devemos reverter o conhecimento produzido na pandemia para o bem comum. A quebra de patentes deve garantir celeridade e menor custo de produção de vacinas e medicamentos."

Já o deputado Dr. Zacharias Calil (DEM-GO) denunciou o "aumento assustador" no preço de remédios durante a pandemia. "Muitas unidades de saúde estão com um apagão de medicamentos", alertou. "Estão diminuindo o volume de medicamentos para atender a todos. Somos um país pobre, não temos vacina para todo mundo. Trata-se de uma questão humanitária. É momento de tomar medidas objetivas."

Prazo
Os deputados demonstraram interesse em conhecer o prazo em que a licença compulsória poderia beneficiar a população. O coordenador da Campanha de Acesso a Medicamentos da organização Médicos Sem Fronteiras, Felipe Carvalho, afirmou que alguns medicamentos para tratamento da Covid-19 já têm versões genéricas sendo produzidas ou licenciadas em outros países.

Carvalho explicou, no entanto, que o Brasil não pode comprá-los por causa de sua posição sobre as patentes. Segundo ele, a fabricação de algumas vacinas poderia ser iniciada em até quatro meses depois do licenciamento. "Não é um tipo de fábrica tão complexa", disse. "Para algumas tecnologias, há capacidade de produção nacional."

A professora de Direito Comercial Paula Forgioni, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), ponderou que não é necessário comprovar a capacidade de produção para licença compulsória. "É fato incontestável que as farmacêuticas não estão dando conta da demanda por vacinação. Com a patente, sobe o preço e diminui a produção da vacina."

Testes
O consultor da organização Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas Francisco Viegas Neves da Silva lembrou que a população brasileira foi testada para que as empresas desenvolvessem as vacinas. "Houve um risco que os brasileiros assumiram de contribuir com a ciência. Nada mais justo do que tenha acesso a essas tecnologias", defendeu.

Ele lembrou que países como o Canadá e a Alemanha reformaram as leis de patentes para permitir licença compulsória para o tratamento da Covid-19. "A licença compulsória tem processo burocrático e não é adaptada para a pandemia. Precisamos ter marco normativo para tratar emergências de saúde pública. Medicamentos novos podem salvar milhares de vidas, mas terão preços mais altos e produção limitada se nenhuma ação for tomada."

O pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz Jorge Bermudez defendeu a aprovação dos projetos que suspendem temporariamente as patentes contra Covid-19. Ele destacou que as propostas não acabam com as patentes e têm respaldo jurídico. "Temos mais de 2 mil solicitações de patentes contra Covid-19", informou.

O representante da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids Pedro Villardi também apoiou a votação das propostas. "As patentes geram problema de acesso a tratamentos. As soluções propostas pela indústria farmacêutica não têm funcionado. Isto é sobre ganância, sobre preservar mercados e lucros à custa de vidas."

O presidente da Federação Nacional dos Farmacêuticos, Ronald dos Santos, também questionou a posição da indústria farmacêutica e lamentou a falta de capacidade de produção dos laboratórios nacionais. "A licença não voluntária garante a defesa da vida. A lógica da atividade econômica espalha a morte", declarou.

Inovação
Contrário às mudanças na legislação, o vice-presidente da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI), Gabriel Leonardos, afirmou que a proteção das patentes é do interesse nacional e uma condição necessária para inovação.

Ele defendeu o uso ponderado e pontual da licença compulsória, de acordo com a legislação atual que inclui casos de emergência nacional e interesse público. "Se o governo brasileiro quiser, pode colocar licença compulsória em uma hora. Ninguém vai negar que estamos em caso de extrema urgência."

Veja também

Ambev abre mais de 300 vagas para trabalhar com Tecnologia e Inovação
Blog dos Concursos

Ambev abre mais de 300 vagas para trabalhar com Tecnologia e Inovação

Vacinados contra Covid-19 podem deixar de usar máscaras em ambientes fechados nos EUA
Pandemia

Vacinados contra Covid-19 podem deixar de usar máscaras em ambientes fechados nos EUA