Em visita a sede do IFPE no Recife, Marília defende manutenção de piso para educação

Divulgação

A deputada federal e segunda secretária da Câmara dos Deputados, Marília Arraes (PT-PE), visitou, na manhã desta sexta-feira (26), o campi Recife do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE). A parlamentar participou de uma reunião com o reitor do instituto, professor José Carlos de Sá, com o diretor do IFPE no Recife, Marivaldo Rosas, e com o vereador Jairo Britto (PT), que também é professor da instituição.  

Uma das pautas da visita de Marília ao IFPE foi o debate sobre estratégias e a importância da luta pela manutenção do piso de investimento mínimo para a área da educação, que está sendo atacada pelo Governo Federal. "Sem esses recursos, a educação pública e de qualidade no Brasil sofrerá um duro golpe que coloca em risco o desenvolvimento de toda uma geração de brasileiros e brasileiras", afirma Marília.  

O reitor do IFPE, José Carlos de Sá, falou sobre a importância do piso da educação ser mantido, principalmente para investimentos futuros do Instituto. "Em média, houve uma redução de 18% do nosso custeio em relação a 2019. O MEC precisa lutar pelo orçamento da educação. Esse é um dos maiores momentos de ameaça para a rede."  

O campi do Recife, por exemplo, é o maior do IFPE em Pernambuco. São mais de seis mil estudantes, além de cursos técnicos, profissionalizantes e mestrados. "Não podemos medir esforços na luta contra mais esse momento de ameaça contra a rede pública de ensino", ressalta Marília. "É fundamental que haja um esforço da bancada de Pernambuco e das demais bancadas na luta pela nossa educação", complementa o diretor do IFPE no Recife, Marivaldo Rosas.

Veja também

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando
Fiscalização

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando

Ministério da Ciência e Tecnologia destina R$ 2 milhões da Covid a laboratório sem relação com a doe
Contas

Ministério da Ciência e Tecnologia destina R$ 2 milhões da Covid a laboratório sem relação com a doe