Humberto Costa vê avanço do “ centrão” no governo Bolsonaro

Em tom preocupado com cenário político atual, o senador Humberto Costa (PT), afirma haver um avanço da ala política conhecida como “centrão” na base do governo do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Para o petista, o chefe do Poder Executivo nacional negocia com essa ala política central com o propósito de se manter à frente do governo brasileiro. 

“Do ponto de vista legislativo e político, ele está na mão do centrão, tudo indica que o centrão terá mais ministérios dentro do governo e por outro lado, tentou fortalecer sua posição dentro das Forças Armadas, inclusive atuando para dividi-las. Então, é um momento muito difícil, tudo pode acontecer, tanto ele pode avançar nesse  projeto, como ele pode perder rapidamente o que lhe resta de base e aí nós vamos ter uma disputa para ele tentar se manter e nós tentarmos tirá-lo”, ressaltou. 

Em entrevista à Rádio Folha FM 96.7, nesta quarta-feira (31), Humberto destacou que em 2022 alianças políticas formadas no âmbito nacional serão as que nortearão as conjunturas a serem construídas regionalmente. Perguntado sobre as possíveis alianças a serem formadas em Pernambuco, o petista afirmou que a sigla não participará de nenhum bloco que tenha a participação de partidos de direita. 

“Tudo que vai acontecer em 2022 será algo articulado com o que vier a acontecer nacionalmente, ou seja, se nós tivermos uma candidatura e essa candidatura tiver o apoio ou participação do PSB, com toda certeza esse será um debate que se abre, mas se esse debate não se abrir em âmbito nacional , regionalmente fica difícil disso acontecer”, afirmou. E completou: “Aqui em Pernambuco, o PT só não estará em qualquer aliança que seja capitaneada pela direita”.

Veja também

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana
Política

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral