Humberto pede responsabilização de governo Bolsonaro por atraso na imunização

O presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, Humberto Costa (PT-PE), solicitou à Defensoria Pública da União (DPU) e à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público (PFDC - MPF) que determinem ao governo federal a realização de campanhas publicitárias para incentivar e alertar a população sobre a importância da vacinação e de tomar as duas  doses dos imunizantes. Segundo dados do Ministério da Saúde, 1,5 milhão de pessoas não tomaram a segunda dose da vacina contra a Covid-19 no prazo estabelecido pelos laboratórios. Em Pernambuco, mais de 68 mil pessoas estão com a segunda dose atrasada.

Para Humberto, o número expressivo de brasileiros que está com o calendário de vacinação incompleto evidencia a falta de informação dos brasileiros sobre a pandemia e aponta para a necessidade urgente de ação do governo federal. "Para comprar e propagar o uso de remédios que não têm nenhuma eficácia contra o coronavírus, a gestão de Bolsonaro não mediu esforços. Fez aplicativo, contratou influenciadores digitais, lançou campanha, mas, para o que realmente importa e que tem poder efetivo de salvar vidas, que é a imunização da população, o governo patina. Não é por acaso que estamos vivendo esse caos, com mais de 3.000 mortes por dia e o avanço crescente da pandemia no país, enquanto o resto do mundo tem tido bons resultados no controle da doença", avaliou o senador, que é ex-ministro da Saúde.  

Humberto também pediu à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal que investigue possíveis omissões do governo Bolsonaro no processo de vacinação e que analise se, de fato, a gestão destinou aos estados a segunda dose dos imunizantes no tempo determinado. O intervalo entre as duas doses da vacina da AstraZeneca é de 84 dias. No caso da CoronaVac, 28 dias. O atraso na vacinação pode prejudicar a imunização.

"Não podemos permitir que, por incompetência ou descaso do governo Bolsonaro, o processo de vacinação fique ainda mais prejudicado. O Brasil tem urgência. Já não aguentamos mais contar os caixões. Para que o país possa superar de uma vez por todas a pandemia, nós precisamos fortalecer o Plano Nacional de Imunização e garantir que a população esteja assistida e bem informada sobre a doença. Não precisamos mais de remédios falsos, que tem uma série de efeitos colaterais nefastos. Precisamos de um governo comprometido com a vida", afirmou.

Veja também

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana
Política

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral

Fachin proíbe PF de qualquer ato de investigação a partir da delação de Sérgio Cabral