João Paulo à espera do seu vice na disputa pela Prefeitura de Olinda

Rafael Furtado/Arquivo Folha

A candidatura do deputado estadual João Paulo (PCdoB) para a Prefeitura de Olinda já está nas ruas e firme, como o ex-prefeito do Recife gosta de enfatizar. Apenas um detalhe está em falta: o nome que irá compor a vice. A ata da convenção do prefeiturável da Marim dos Caetés no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) foi registrada sem o nome do companheiro de chapa da coligação. O indicado será do Partido dos Trabalhadores (PT) e uma articulação envolvendo lideranças nacionais da legenda já está no radar para adiantar a definição. A preferência é por uma mulher e com o perfil mais jovem, que possa agregar na chapa com a experiência do ex-gestor recifense.

A executiva municipal do PT deliberou na última terça-feira (15) pelo nome do presidente municipal do PT, Lulinha, mas a escolha provocou rachaduras internas. Lideranças da sigla questionam que o dirigente não teria apoiado desde o início a aliança com João Paulo, o que levou a comparações com a indicação do deputado federal Túlio Gadêlha (PDT) para a vice de João Campos no Recife, que acabou não vingando após intervenção nacional. 

Diante do impasse, a candidatura de João Paulo foi homologada sem o nome do vice. Lideranças nacionais do PT como a presidente nacional da sigla, Gleisi Hoffmann, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) entraram no circuito para tentar construir a unidade e diminuir as rachaduras internas da sigla.

Durante a convenção de João Paulo, o primeiro depoimento foi o da vice-presidente da Fundação Perseu Abramo, Vivian Farias. Na ocasião, ela ela ressaltou a experiência de João Paulo e sua participação na formulação do programa de governo do prefeiturável.

Já o senador Humberto Costa (PT) fez questão de ressaltar que foi um dos principais articuladores da aliança entre PT e PCdoB em Olinda e que tentará participar da campanha de rua do ex-correligionário. “Eu fui uma das pessoas que mais batalhou para que essa aliança saísse, ela vai sair e se consolidar. E eu quero, se a pandemia deixar, já que sou de grupo de risco, sou diabético, sou hipertenso, apesar de ser mais jovem que você. Mas, se for possível, quero subir essas ladeiras para dizer tudo que sei do que foi João Paulo como prefeito e ele é como pessoa humana”, afirmou Humberto Costa. A fala de Lulinha acabou ficando na parte dos dirigentes estaduais e municipais do partido.