José Patriota pede sincronia no debate sobre a reforma tributária com o Pacto Federativo

José Patriota, presidente da Amupe - Reprodução

O presidente da Associação Municipalista de Pernambuco e prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, pediu sincronia entre projetos para a reforma no sistema tributário brasileiro. De acordo com o gestor, não se pode discutir uma reforma tributária sem levar em consideração o Pacto Federativo dos entes federativos, que discute a atribuição e participação de estados, municípios e União na arrecadação de tributos.

Segundo Patriota, ao se discutir uma reforma tributária, deve-se levar em consideração as obrigações e custos que cada estado e município tem.

“Esse é o primeiro equívoco do Congresso e das autoridades, ao abordar o assunto da Reforma Tributária: os projetos correm distintos, sem uma sincronia”, pontuou. 

Eleições
Em sua participação no Programa Folha Política na Rádio Folha FM 96.7, na manhã desta terça-feira (04), José Patriota defendeu a junção das disputas eleitorais e maior tempo de mandato político. Cinco anos de mandato sem reeleição. Com uma única eleição para União, Estado e Municípios, se diminuiria o custo obtido com campanhas eleitorais e se obteria um resultado mais satisfatório das gestões. Patriota 

“São dois processos eleitorais com custos altos, duas campanhas desnecessárias, onde você poderia ter um projeto de governança sincronizado para o município, para o Estado e para União”, afirmou.

 

Ouça a entrevista completa no podcast abixo:

 

Folha de Pernambuco · 04.08.20 - Folha Política com José Patriota - Presidente da AMUPE