Lideranças políticas saem em defesa das manifestações dos entregadores de aplicativos

Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

A greve nacional dos entregadores de aplicativos, nesta quarta-feira (1º), por melhores condições de trabalho, medidas de proteção contra os risco de infecção pelo novo coronavírus foi apoiada por políticos e lideranças partidárias. Os trabalhadores também reinvidicam mais transparência na dinâmica de funcionamento dos serviços e das formas de remuneração

Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB, afirmou que "a precarização do emprego é uma das consequências da crise econômica e das políticas neoliberais que retiraram direitos dos trabalhadores. Valorizados na pandemia, os entregadores se mobilizaram contra a falta dos direitos trabalhistas." Além dele, o deputado federal Danilo Cabral (PSB) usou as redes sociais para defender "mais direitos para os entregadores".

O senador Humberto Costa (PT) foi outro a defender os pleitos dos entregadores. “Entregadores de aplicativos enfrentam jornada diária de 12 horas, sem direitos trabalhistas, INSS, FGTS, aviso prévio ou seguro desemprego", apontou. Já a deputada federal Marília Arraes (PT) defendeu que os aplicativos se responsabilizem pela "segurança do trabalhador" e garantam "um valor mínimo por entrega mais justo, além de se comprometerem com um seguro de roubo, acidente e vida". Além disso, a parlamentar indicou que assinou a Frente Parlamentar em defesa dos trabalhadores e trabalhadoras de aplicativos de entregas. "O #brequedosapps é um importante movimento para cobrar que os direitos desses profissionais sejam garantidos", complementou. 

O vereador Ivan Moraes (PSOL) também demonstrou apoio aos entregradores. "Galera quer: EPIs, melhor compensação, auxilio pandemia, seguro contra roubo. Tudo coisa justa e certa q a gente apoia #BrequeDosApps. Entregadores/as de aplicativos do Recife durante um serviço essencial: a luta por seus direitos", escreveu.