Livro mostra bastidores da criação da União por Pernambuco

O livro já está à venda na livraria da Praça - a primeira a colocá-lo à disposição do público - e - Foto: Divulgação

Os movimentos do xadrez político que transformaram a antiga Arena e o MDB de adversários históricos em aliados é o tema do livro Queridos Rivais, do jornalista Sérgio Montenegro Filho. Nele, o especialista acompanha todos os movimentos que redundaram na criação da União por Pernambuco e na eleição de Jarbas Vasconcelos ao Governo do Estado, tendo como vice Mendonça Filho, então do PFL, entre 1999 e 2006.

Segundo Sergio, em 1985, após vinte anos de polarização, Arena e MDB apararam arestas e se uniram em torno de um objetivo: pactuar uma saída institucional do regime militar e assegurar a redemocratização do País. Quase uma década depois haveria uma nova aproximação, dessa vez em Pernambuco, onde caciques do PMDB e do PFL vislumbraram a chance de tomar o comando do Estado das mãos do PSB do governador Miguel Arraes.

Primeiro, era preciso oferecer uma justificativa para essa guinada política ao eleitor pernambucano, testemunha de duríssimos embates entre os dois lados. O argumento da aliança baseada no desenvolvimentismo caiu como uma luva, em um Estado carente em diversas áreas, mas, acima de tudo, na economia. Como repórter de política do Jornal do Commercio, Sérgio Montenegro acompanhou o processo de costuras da aliança desde o início, relatando o primeiro encontro público entre o então governador Joaquim Francisco, líder maior do PFL, e o prefeito do Recife à época, Jarbas Vasconcelos, chefe do PMDB.

“Quando recebi a informação sobre o acordo em curso, duvidei imediatamente. Acostumado a cobrir intermináveis confrontos entre PFL e PMDB, jamais teria imaginado a possibilidade. Eram a esquerda e a direita, óleo e água. Ainda por cima em Pernambuco, onde acirramento político é regra. Mas a fonte da informação era sólida, e decidi investigar”, conta Sérgio Montenegro, acrescentando que foi preciso vencer antes o ceticismo dos editores e colegas de redação diante daquela “pauta improvável”.

Prefaciado pelo cientista político Túlio Velho Barreto, da Fundação Joaquim Nabuco, e apresentado pelo ex-diretor de redação do Jornal do Commercio, Ivanildo Sampaio, o livro Queridos Rivais registra os bastidores dessa história, 25 anos depois do seu pontapé inicial. E analisa a trajetória dos seus personagens sob a maturidade que só o tempo concede. O livro já está à venda na livraria da Praça - a primeira a colocá-lo à disposição do público - e nas demais boas livrarias da cidade. Ele também pode ser pedido pela plataforma Amazon.