Luciana Santos é reeleita presidente nacional do PCdoB

Congresso do PCdoB se encerrou neste domingo (17)

A vice-governadora de Pernambuco Luciana Santos foi reconduzida, neste domingo (17), à presidência nacional de seu partido, o PCdoB. Ela continuará a comandar a sigla pelos próximos quatro anos. A reeleição aconteceu durante o Congresso da legenda, que se encerrou neste domingo, após três dias de deliberações. No evento, foi aprovada também uma resolução política com foco no fortalecimento da agremiação e na luta para isolar e derrotar o governo Bolsonaro.

Luciana chegou à presidência nacional do seu partido, em maio de 2015. Foi a primeira mulher a ocupar tal posição. Em 2017, teve o mandato renovado, algo que se repetiu neste domingo. A dirigente assumiu a liderança dos comunistas em um momento difícil para as forças progressistas, que incluiu o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e a ascensão da extrema-direita. 

Sob sua condução, o PCdoB oficializou, em 2019, a incorporação do Partido Pátria Livre, o que lhe permitiu superar a cláusula de barreira e manter seu pleno funcionamento institucional. A dirigente também liderou o movimento pela aprovação das federações partidárias no Congresso Nacional, uma inovação democrática que incide para preservar o pluralismo político no Parlamento. 

O 15° Congresso Nacional do PCdoB aconteceu de forma virtual, com a participação de mais de 600 delegados. No sábado, ocorreu o ato político da atividade, com a participação de  personalidades de diversos partidos, a exemplo do ex-presidente Lula; o ex-ministro Ciro Gomes; os senadores à frente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD/AM) e Renan Calheiros (MDB-AL) e o ex-candidato à Presidência Nacional Guilherme Boulos (Psol).

Ao fim do Congresso, o PCdoB aprovou uma resolução que irá nortear a sua atuação pelo próximo período. No centro do documento, está a necessidade de construir uma frente ampla contra o governo Bolsonaro e de fortalecer a sigla para que tenha maior influência na vida do país. 

Neste sentido, foi aprovada uma plataforma programática de enfrentamento ao bolsonarismo e à profunda crise econômica que vive o país, a partir de uma união de forças em defesa da democracia e do protagonismo do Estado com investimento público e o mercado interno alavancado pelo poder de compra dos salários. Tal documento dará as diretrizes para a participação do PCdoB em uma eventual federação partidária, que deve ser pautada por uma agenda comum entre os partidos para o país.

Veja também

Bolsonaro comemorou quando Lula foi solto, diz MoroPolítica

Bolsonaro comemorou quando Lula foi solto, diz Moro

Alec Baldwin nega ter atirado na diretora assassinadaTrágédia

Alec Baldwin nega ter atirado na diretora assassinada