MDB define apoio a João Campos na disputa pela Prefeitura do Recife

Um dia após o presidente estadual do Republicanos, deputado federal Silvio Costa Filho, declarar apoio à pré-candidatura do também deputado federal João Campos (PSB) à Prefeitura do Recife, a executiva estadual do MDB se reúne, hoje, para definir a estratégia do partido no município, que deve ser a de também subir no palanque socialista. 

Secretário de Segurança Urbana do Recife, Murilo Cavalcanti (MDB) é um dos membros da legenda que defende a aliança com o PSB e a Frente Popular. Para ele, com a retirada da candidatura do deputado federal e presidente do MDB no Estado, Raul Henry, não há motivo “para ir para outro lugar”. “A sinalização é essa mesmo. De a gente continuar onde a gente está. A tendência é essa e a minha defesa é essa”, disse.  Murilo, no entanto, ressaltou que a decisão pela coligação é do diretório municipal. “(A executiva estadual) Tem poder consultivo para definir a coligação. Quem define a coligação é o diretório municipal do Recife. Amanhã (hoje) é uma posição política da executiva que é uma instância consultiva do partido”, complementou. 

À reportagem, Raul Henry disse apenas que o encontro de hoje é justamente para ouvir “um por um” dos integrantes da executiva para, então, definir a posição na Capital. O senador Jarbas Vasconcelos, uma das principais lideranças do partido no Estado, não comentou o assunto. No entanto, na semana passada, recebeu João Campos para uma conversa.

Oposição

O movimento de vários partidos em apoio ao PSB pode pressionar os oposicionistas, na opinião do também pré-candidato à PCR, Marco Aurélio (PRTB), que oficializou a sua postulação ontem. Ele considera que as declarações de atores importantes como Silvio Costa Filho “contribuem para que a oposição acelere o entendimento”. Já o deputado federal e pré-candidato Daniel Coelho (Cidadania) aponta que “esses partidos já estavam lá” e que “todos já sabiam disso”. Vale lembrar que Daniel e o ex-ministro Mendonça Filho (DEM) tentam articular uma estratégia para a eleição municipal deste ano, mas ainda não chegaram a um consenso.

Mendonça, inclusive, disse, em entrevista à Rádio Folha FM 96,7, que não descarta a possibilidade de composição de chapa com Daniel. “Essa decisão envolve os partidos que estiveram juntos no processo eleitoral passado para o Governo do Estado, liderado por Armando (Monteiro Neto, PTB), que foi nosso candidato a governador, Bruno (Araújo) que foi candidato a senador ao meu lado e outras forças como o PSL (do deputado federal) Luciano Bivar e Marcos Amaral, o PSC e o PL do (deputado federal) André Ferreira e do (prefeito de Jaboatão dos Guararapes) Anderson Ferreira. E a gente está alargando esse debate para que possa chegar a um consenso que possa significar um caminho adequado para apresentação de um projeto de mudança para a Cidade do Recife”, pontuou. Questionado sobre uma “dependência” de um apoio do PSL, presidido por Bivar, Daniel Coelho foi taxativo. “O PSL faz duas eleições. Tem uma posição nacional de apoio às pautas liberais. Pelo o que tenho escutado dos seus dirigentes, não vejo chance do PSL apoiar o PSB/PT.”