Mendonça Filho garante porte de arma para guardas municipais do Recife caso seja eleito prefeito

Mendonça Filho (DEM) - Foto: Divulgação

Em entrevista ao Sindguardas (Sindicato dos Guardas Municipais) Recife, nesta quinta-feira (06), por meio de live no Instagram, o pré-candidato do DEM à Prefeitura do Recife, ex-ministro Mendonça Filho, afirmou que, caso seja eleito, terá como uma das suas pautas a valorização dos servidores públicos da Capital pernambucana e garantiu que, caso seja eleito, os guardas municipais recifenses terão direito à posse e porte de armas de fogo. 

Mendonça frisou que tem a "disposição de liderar o Recife e colocá-lo em um espaço de destaque no cenário nacional". "Uma cidade melhor para se viver. E pra viver melhor na cidade é preciso valorizar os servidores públicos, é preciso valorizar a guarda municipal", defendeu. O postulante à Prefeitura do Recife defendeu o seu nome como uma candidatura que não é uma "aventura". "Vamos buscar um caminho de mudança, uma mudança que não seja uma aventura ou uma aposta. É preciso mudar com segurança e eu tenho condições de oferecer esse caminho", destacou o ex-ministro, frisando ainda que não possui um projeto pessoal e que tem "articulado um caminho na oposição, um caminho que permita o Recife mudar". 

O pré-candidato do DEM assegurou que, caso seja eleito, a Guarda Municipal do Recife vai cumprir o seu papel na segurança pública e, para isso, estará em "processo de treinamento e capacitação permanente", além de ser autorizada a utilizar armas de fogo. "Eu assumo o compromisso público de que os guardas municipais terão direito ao porte de arma na minha gestão como Prefeito da cidade do Recife", disse Mendonça, enfatizando que a ideia é que os guardas municipais portem arma de fogo para "se proteger e proteger o cidadão recifense". 

Outras pautas
Mendonça respondeu a uma série de perguntas de interesse dos guardas municipais. Afirmou que pretende valorizar e discutir uma possível reestruturação no plano de saúde da categoria, além de promover um ambiente adequado para a atuação dos guardas em espaços públicos. O ex-ministro disse ainda que, apesar de não poder "assegurar o quanto", um reajuste salarial da categoria será discutido, caso ele seja eleito, além de discutir o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos.  

Ele frisou que é contrário à escolha do comandante da Guarda Municipal por meio de uma lista tríplice. "Não vou fazer politicagem, nem adotar critério de clientelismo e fisiologismo", garantiu, acrescentando que respeitará o bom profissional "independentemente do posicionamento político".