Parlamentares querem sustar decreto que exclui representantes da rede pública de conselho

No dia que em que foi confirmado o nome do novo ministro da Educação, Milton Ribeiro, um grupo de parlamentares que faz parte da Comissão Externa que fiscaliza o MEC entrou com Projeto de Decreto Legislativo (PDL) para suspender a decisão presidencial que nomeia os membros do Conselho Nacional da Educação (CNE), mas desconsidera representantes das redes pública estadual e municipal. O PDL é assinado por 4 coordenadores da Comex/MEC: João Campos (PSB-PE), Felipe Rigoni (PSB-ES), Professor Israel (PV-DF) e Tabata Amaral (PDT-SP). Este é o único projeto apresentado até o momento com o objetivo de sustar o decreto.

“Mesmo em meio a tanto atrapalho do Governo Federal e desorganização no comando do MEC, reitero o que disse há algumas semanas: faço oposição ao governo Bolsonaro, mas trabalho pela educação pública brasileira. Espero que o novo ministro, Milton Ribeiro, faça uma boa gestão, mas, principalmente, desfazendo ações desastrosas como a que vimos hoje em relação ao Conselho Nacional de Educação”, afirmou João Campos, dizendo esperar que o novo ministro não se deixe contaminar pelas teorias insustentáveis dos seguidores do filósofo Olavo de Carvalho ou de defensores mais ardorosos do presidente.

O decreto em relação ao CNE data de 9 de julho e, com validação a partir de 11 de julho, designa membros para compor as Câmaras de Educação Básica e Educação Superior sem incluir representantes de instituições históricas como o Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e Undime (União dos Dirigentes Municipais de Educação de Pernambuco), que sempre participaram do conselho em nome dos entes federados. Com isso, estão de fora das decisões as 27 redes estaduais e 5.568 redes municipais.

Os parlamentares registram que a União afronta o regime de cooperação estabelecido na Constituição Federal. Além disso, defendem e esclarecem que cabe aos estados e municípios a oferta da Educação Básica no território nacional. Logo, a representação das redes públicas estaduais e municipais, responsáveis por mais de 80% de todas as matrículas da Educação Básica do País e mais de 40 milhões de estudantes, é vital para a legitimidade e para a efetivação das diretrizes e orientações do próprio Conselho. 

A medida é uma forma de ignorar possíveis demandas e necessidades das escolas e dos atores pertencentes às comunidades escolares em todo o país, principalmente em meio ao desafio trazido pela pandemia do novo coronavírus. Lembram os deputados que “o CNE é um órgão de Estado e não uma estrutura a mercê de mandatos governamentais, tendo papel central na garantia de isonomia, de respeito à diversidade educacional e no modo de formular, implementar e aprimorar políticas públicas educacionais pelos estados e municípios.”

Veja também

Bolívia propõe perdão da dívida externa diante da crise
Coronavírus

Bolívia propõe perdão da dívida externa diante da crise

Governo federal investe em nova fábrica de vacinas da Fiocruz

Governo federal investe em nova fábrica de vacinas da Fiocruz