Paulo Câmara diz respeitar veto da Anvisa à Sputnik e que seguirá trabalhando pela vacina

Caixas com doses da Sputnik V, vacina russa contra a Covid-19 - Savo Prelevic/AFP

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), reagiu, nesta terça-feira (27), ao veto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) à importação de 37 milhões de doses da vacina russa contra a Covid-19 Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya.

Em seu perfil no Twitter, o chefe do Executivo estadual disse respeitar a decisão da agência, mas criticou o veto. Ele também citou o fato de o imunizante fazer parte da campanha de vacinação em 61 países, incluindo os latinos México e Argentina.

Leia também:
Anvisa aponta pontos críticos e rejeita pedidos de aval à importação da vacina Sputnik V
Lewandowski nega prazo maior para Anvisa decidir sobre Sputnik V

"A Sputnik V está salvando vidas no México, Argentina, Hungria e mais 58 países. Infelizmente, para a Anvisa não há evidências suficientes para que as 37 milhões de doses adquiridas pelos estados brasileiros sejam autorizadas a entrar no país", escreveu Paulo Câmara.

"Respeito a avaliação da agência, mas vou continuar trabalhando para que a vacina seja disponibilizada aos pernambucanos o mais rápido possível", continuou o governador.

Segundo diretores e equipe técnica da Anvisa, que se reuniram na noite de segunda-feira (26) para deliberar sobre o pedido, a falta de dados mínimos e a identificação de pontos críticos entre aqueles apresentados – como falhas no desenvolvimento que trazem incertezas sobre a segurança da vacina– levaram à não aprovação do uso da Sputnik V no Brasil.

Veja também

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante
Coronavírus

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante

Senado aprova redução na tarifa de energia elétrica por 5 anos
CONTA DE ENERGIA

Senado aprova redução na tarifa de energia elétrica por 5 anos