Paulo Câmara se pronuncia sobre atos violentos da PM e promete apuração de responsabilidades

Djair Pedro

Após a ampla repercussão do uso da força durante o protesto contra o presidente Jair Bolsonaro no Recife, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) reforçou o que já havia dito mais cedo a vice-governadora Luciana Santos (PCdoB), de que a ordem das ações violentas não partiu do Palácio do Campo das Princesas e que será aberta uma investigação pela Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS), com o afastamento dos envolvidos enquanto durar o inquérito.

"Sempre pratiquei, na condição de governador de Pernambuco, os mesmos princípios que defendo como cidadão e democrata. Repudiamos todo ato de violência de qualquer ordem ou origem. Sobre o ocorrido durante manifestação no Centro do Recife, na manhã deste sábado (29), determinei a imediata apuração de responsabilidades. A Corregedoria da Secretaria de Defesa Social já instaurou procedimento para investigar os fatos. O oficial comandante da operação, além dos envolvidos na agressão à vereadora Liana Cirne permanecerão afastados de suas funções enquanto durar a investigações. Sempre vamos defender o amplo diálogo, o entendimento e o fortalecimento de nossas instituições dentro da melhor tradição democrática de Pernambuco", declarou Paulo Câmara.

Após vídeos e relatos de uso excessivo da força nos manifestantes, inclusive contra a vereadora do recife Liane Cirne (PT), a Ordem dos Advogados de Pernambuco, políticos e entidades se posicionaram contra a ação policial.

Veja também

Em dia de Moro suspeito no STF, Lula lembra dos dias na prisão: 'provação de fé'
Política

Em dia de Moro suspeito no STF, Lula lembra dos dias na prisão: 'provação de fé'

Com gol aos 55, Brasil bate Colômbia e dá a Tite maior sequência de vitórias
Copa América

Com gol aos 55, Seleção Brasileira bate Colômbia