Prefeitos expõem preocupação com as eleições municipais para o presidente do TSE

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, se reuniu, por vídeoconferência, nessa segunda-feira, 29, com lideranças municipais para discutir sobre as preocupações em torno das eleições de 2020. De acordo com o presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (AMUPE), prefeito José Patriota (PSB), a reunião se deu para que o ministro desse uma “satisfação” aos gestores, além de afirmar que vai esperar os indicadores para decidir se haverá ou não eleições nos municípios.

O presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi, e representantes das cinco regiões do país listaram argumentos que embasam defesa do movimento municipalista para a suspensão do pleito eleitoral enquanto houver riscos de contaminação pelo novo coronavírus. 

Na ocasião, o ministro Barroso reconheceu que todas as preocupações apresentadas são legítimas e não há respostas fáceis, mas defendeu a opinião de especialistas. "Eles imaginam que, até o final de setembro, mesmo considerando a heterogeneidade do Brasil, a curva vai estar caindo de maneira significativa. De modo que passar [a eleição] para novembro nos daria algumas semanas de nível da doença decrescente, o que aumenta a segurança", disse.

“Da emenda aprovada no Senado, há previsão de que o TSE possa suspender eleição em alguns Municípios se entender que a situação é grave. E o próprio Tribunal pode propor ao Congresso suspender em âmbito estadual. Ou seja, se chegarmos [em novembro] com situação grave, há válvula de escape”, ressalvou Barroso. Vale lembrar que, ainda assim, as eleições suplementares teriam que ocorrer ainda em 2020. Por fim, o ministro também falou da possibilidade de unificar as eleições em 2022.

Veja também

Startup do Recife abre 10 vagas de trabalho
OPORTUNIDADE

Startup do Recife abre 10 vagas de trabalho

Cientistas advertem que particulas do coronavírus no ar podem ser infecciosas
Alerta

Cientistas advertem que particulas do coronavírus no ar podem ser infecciosas